Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Um ano após o assassinato de 11 pessoas, 44 PMs estão presos e família das vítimas lutam contra a impunidade

Chacina 10
A maioria das vítimas foi retirada de dentro de casa e executada sumariamente na rua
Onze mortos, sete feridos e 44  presos. Este é o balanço da maior chacina já ocorrida em Fortaleza e que, neste sábado (12), completa um ano. A matança ocorrida na madrugada de 12 de novembro de 2015,  entre as comunidades do Curió, Lagoa Redonda e Conjunto São Miguel, na Grande Messejana, segue atualmente investigada pela Justiça.
Uma força-tarefa da Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos da Segurança Pública e do Sistema Penitenciário (CGD) trabalhou em sigilo durante nove meses e, por fim  como provas e indícios sobre a participação de cada um dos 44 policiais militares presos.
Para chegar aos 44 nomes, a equipe da Controladoria realizou um profundo e longo trabalho investigativo de coleta de provas que incluiu o rastreamento de viaturas policiais, localização e captação de imagens de veículos particulares usados na prática do crime, além da quebra de sigilo telefônico e de comunicações via redes sociais e aplicativos - como o WhatsApp -  autorizada pela Justiça.  Alie-se a isto, uma ampla teia de depoimentos, com cerca de 240 inquirições e laudos elaborados pela Polícia Federal e Perícia Forense do ceará (Pefoce).
Bairro cercado
Com o  rastreamento de ligações via celular e o exame de imagens fotográficas captadas por câmeras do sistema operacional de trânsito da Capital, além de equipamentos instalados em residências e pontos comerciais da Grande Messejana, foi possível à CGD o cruzamento de dados e outras informações que levaram ao indiciamento dos PMs acusados de matar 11 pessoas e ferir outras duas na madrugada do dia 12 de novembro do ano passado, nas comunidades do Curió, Lagoa Redonda e Conjunto São Miguel, na Grande Messejana
A matança, de acordo com a denúncia formulada e assinada por 11 promotores de Justiça, se constituiu na maior chacina já registrada na história de Fortaleza e, segundo as palavras do procurador-geral Plácido Rios, os policiais militares envolvidos, “cercaram” a Grande Messejana para retaliar a morte de um colega de farda, provocando uma sequência de execuções sumárias, além de tentativas de assassinato.//////blogdofernandoribeiro.com.br

Operação prende irmãs suspeitas de participação no assassinato de policial rodoviário federal durante assalto

a2eadf3c-fe59-4aeprf total
As duas irmãs foram detidas após um trabalho de Inteligência da PRF com a DHPP
Uma operação conjunta das policias Rodoviária Federal, Civil e Militar resultou na prisão de duas pessoas e na identificação de mais três envolvidas no crime de latrocínio (roubo seguido de morte) que vitimou um agente aposentado da PRF-CE no último fim de semana. O policial rodoviário federal  Leomar Saraiva de Aquino, 73 anos, foi morto, a tiros, na porta de sua residência durante um assalto.
O crime ocorreu na Rua Jamacaru, no Conjunto Residencial Almirante Tamandaré, no bairro Jangurussu, na tarde de domingo passado  (6), quando duas mulheres chegaram na porta da casa do policial aposentado e pediram água.  No momento em que abria a porta para servir as duas mulheres, o policial foi atacado por três bandidos e reagiu, travando uma luta corporal com um deles, mesmo com sua idade avançada.
Tiro na cabeça
Na briga, um dos bandidos sacou uma arma e atirou na cabeça de Leomar, que teve morte imediata. Em seguida, os assaltantes fugiram roubando o carro de um vizinho da vítima.
Em uma operação de Inteligência, a PRF identificou os envolvidos e, junto com inspetores da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e patrulhas do Batalhão Raio, prenderam duas irmãs, que teriam sido as mulheres que atraíram a vítima para abrir a porta para os assaltantes.
Maria de Jesus da Silva do Vale e sua irmã, a adolescente M., de 13 anos, foram detidas  durante a “Operação Vivendas” e encaminhadas à sede da DHPP.  As autoridades informaram já ter identificado os assaltantes que participaram do crime e faz diligências para prendê-los. 
blogdofernandoribeiro.com.br