Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Cassação da chapa Dilma/Temer poderá ocorrer a partir de janeiro para eleição indireta pelo Congresso

Resultado de imagem para Dilma/Temer
A realização de um painel sobre “O avanço neoliberal no mundo globalizado”, durante o 40º Encontro Nacional de Sindicatos de Arquitetos e Urbanistas, em Porto Alegre, na última quinta-feira, deu ensejo a que a ex-presidente Dilma Rousseff reforçasse a tese de que o golpe parlamentar que conduziu o vice-presidente Michel Temer à Presidência da República teve como principal objetivo estratégico radicalizar a implementação do neoliberalismo no País, concluindo aquilo que não foi completado no governo FHC. Três pilares fundamentariam essa estratégia: a PEC 241 (agora PEC 55, no Senado), a Reforma da Previdência e a Reforma Trabalhista.

Se não for uma cortina de fumaça a preceder uma eventual prisão de Lula, a movimentação para tirar o PMDB de cena, supostamente desencadeada com as detenções dos ex-governadores Sérgio Cabral e Antony Garotinho, parece confirmar a percepção de Dilma. Feita a devastação nas fileiras peemedebistas chegaria a vez de Michel Temer.

Para evitar que o processo pudesse ser por demais prolongado, há a possibilidade de ser declarada a cassação conjunta da chapa Dilma/Temer (que o TSE, sob a presidência de Gilmar Mendes, teria na ponta da agulha). A estratégia recomendaria, nesse caso, que o passo decisivo só fosse dado a partir de janeiro de 2017 quando a eleição só poderia ser indireta – pelo Congresso – o que permitiria fazer a cadeira presidencial cair no colo dos tucanos, sem um único voto popular (a eleição direta – que provoca pavor ao sistema – só seria possível até final de dezembro). Nem os cínicos Bórgias, na Renascença, teriam arquitetado estratégia melhor.

Com a democracia ferida, a legalidade arranhada e a legitimidade desfeita, a ordem jurídica democrática cambaleia. O grupo que se apoderou do poder, sem respaldo popular, está desconectado da maioria da sociedade, que não se sente representada por ele. Ficou solto no ar e sem condições políticas de impor, de cima para baixo, o seu programa de governo, sem contestações. Só lhe resta a repressão para enfiá-lo goela abaixo dos descontentes. Mas isso só faz agravar o problema. Quanto mais repressão, mais revolta. Ora, é preciso desmontar essa bomba relógio enquanto é tempo. Mas será expectativa ilusória se, antes, a legitimidade e a legalidade plena não forem restauradas no Brasil.

Quer saber quais são os carros mais roubados no Brasil?


Uma pesquisa divulgada pela Superintendência de Seguros Privados (Susep), apresentou dados sobre roubos de carros no país. Segundo o levantamento, o Celta, da Chevrolet, é o carro mais roubado no país entre os veículos que estão segurados. Em uma divulgação feita pela Época, é apontado que em seis meses, mais de 6 mil ocorrências foram registradas envolvendo o veículo. Em segundo lugar, o Volkswagen Gol (4.514) e em terceiro o Fiat Palio (4.127). Eliomar de Lima

Garotinho passa por cirurgia cardíaca no Rio


O ex-governador Anthony Garotinho foi submetido a uma angioplastia para colocação de stent, na manhã deste domingo (20) no Hospital Quinta D'Or, na zona norte do Rio. O cateterismo realizado identificou obstrução da artéria coronária direita. Boletim médico divulgado pelo hospital informa que o estado do ex-governador é estável. "De acordo com o médico Marcial Raul Navarrete Uribe, 'houve risco potencial ao paciente de infarto agudo do miocárdio, quando submetido à situação de estresse, como ocorreu com sua remoção intempestiva, inadequada e desnecessária'", diz a nota divulgada pela assessoria de imprensa do advogado Fernando Fernandes, que defende Garotinho. Estadão Conteúdo