Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

sábado, 8 de julho de 2017

Justiça aceita denúncia do MP contra ex-namorado de universitária morta por overdose


A universitária foi encontrada morta em maio de 2016 (FOTO: Reprodução/Facebook)

O Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE) recebeu, na sexta-feira (7), denúncia contra o empresário Gregório Donizeti Freire Neto. Ele é acusado de homicídio por dolo eventual (quando o agente assume o risco de produzir o resultado), cometido contra a universitária Yrna de Souza Castro Lemos, em 2016.

O rapaz foi denunciado na última quarta-feira (5), pelo Ministério Público Estadual do Ceará (MP-CE). A denúncia aconteceu pouco mais de um ano após a morte da jovem. A denúncia foi recebida pela juíza titular da 1ª Vara do Júri de Fortaleza, Danielle Pontes de Arruda Pinheiro.

Segundo a denúncia do Ministério Público do Ceará (MP-CE), Gregório e Yrna tinham um relacionamento amoroso e, no dia 1º de maio de 2016, por volta das 3 horas, estavam no apartamento dele, no bairro Dionísio Torres, onde fizeram uso de substância entorpecente (morfina) injetável.

Ainda conforme a denúncia, ao perceber que, após o uso da droga, a vítima estava sem sinais vitais, o réu a carregou para o seu automóvel. No entanto, apesar de ter conduzido o carro até o hospital mais próximo, chegando ao local, permaneceu dentro do veículo estacionado. Depois de algum tempo, seguiu com a vítima, tendo transferido o corpo para o porta-malas do carro.

Horas depois, ele foi à Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa para relatar o ocorrido e informar onde estava o corpo.

De acordo com o MP, o réu tinha conhecimento dos danos que a substância podia gerar e, mesmo assim, assumiu o risco de produzir o resultado, quando a aplicou na vítima. Além disso, apesar de ter se deslocado até o hospital, não prosseguiu com o amparo, tendo, ao contrário, colocado o corpo no porta-malas do carro e circulado com ele por diversas vias da cidade.

Ao receber a denúncia, a juíza considerou haver indícios da autoria e provas da materialidade penal. A magistrada determinou a citação do acusado para, no prazo de dez dias, apresentar defesa.
 


Fonte Tribuna do Ceará

Casos confirmados de chikungunya passam de 50 mil no Ceará



Os casos confirmados de chikungunya no Ceará já chegam a 50.068, ultrapassando o total do ano passado, quando 31.482 casos foram confirmados. Boletim Epidemiológico da Secretaria Estadual da Saúde (Sesa) desta semana informa que o Ceará teve 94.235 notificações da doença até esta sexta-feira, 7. Fortaleza responde por 70% das confirmações, com 35.049 casos contabilizados este ano.

Ao todo, foram registradas 43 mortes devido à doença transmitida pelo Aedes aegypti, sendo que 33 delas ocorreram na Capital cearense. Dos casos confirmados da doença, 67% são concentrados nas faixas etárias entre 20 e 59 anos. Com exceção dos menores de um ano e das crianças com idade entre cinco e 14 anos, a concentração da doença foi predominante no sexo feminino, de acordo com a Sesa.

A infestação nos municípios cearenses também é maior neste ano, em que já foram confirmados casos chikungunya em 141 municípios. Em 2016, o contágio da doença era confirmado em apenas 139 cidades do Estado.

Dengue e zika 

No caso da dengue, são confirmados 14.478 casos até esta sexta-feira, em 139 municípios cearenses. Esses casos estão distribuídos em todas as faixas etárias, mas há concentração de 64,1% nas pessoas com idades entre 15 e 49 anos.

Também há predominância do sexo feminino, que corresponde a 55,3% dos casos. A quantidade de mortos não aumento em uma semana, e o Ceará continua com registro de oito mortes por dengue.

Já em relação à zika, o boletim epidemiológico aponta que não houve aumento nem no número de casos confirmados (402) nem no de notificações (2.523).


Fonte O Povo