Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

segunda-feira, 10 de julho de 2017

'Eu estou doido para consertar o Brasil', afirma ex-presidente Lula



O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse em entrevista ao jornalista Water Santos, da Revista Nordeste, que está "doido para consertar o Brasil" e questionou o preconceito existente com os mais pobres e o Nordeste do país.

Ao iniciar a conversa, Lula lembrou que o atual prefeito de São Paulo João Doria (PSDB), quando dirigia a Embratur, chegou a propor que a seca do nordeste e a miséria fosse transformada num ponto de atração turística.

O ex-presidente falou sobre a discriminação com os mais pobres. "Eles não aceitam que as pessoas do andar de baixo, subam para o andar de cima".

"O que mais me assusta em todo esse processo de pobres e ricos, de nordeste e sudeste, é o preconceito que está estabelecido culturalmente na cabeça das pessoas. Ou seja, as pessoas não aceitam que as pessoas do andar de baixo subam um degrau. É porque tem um setor da classe media que pensa como se fosse rico. Isso é equívoco da classe média", afirmou o ex-presidente.

Como descobrir se seu Facebook foi invadido


Como o Facebook guarda informações relevantes das nossas vidas atualmente, muitas vezes a rede social pode ser alvo de hackers ou, simplesmente, de fofoqueiros.

Caso tenha notado algum tipo de atividade estranha no seu perfil, sua conta pode ter sido invadida. Como saber? O 'Techtudo' preparou um tutorial bem simples, confira:

1. Entre no Facebook e selecione aa seta na lateral superior direita;

2. Clique em "Configurações" dentro do menu de opções;

3. Nas configurações, selecione "Segurança e login".

4. Nesta área, você terá acesso a todos os dispositivos que logaram no seu Facebook. Clique em "ver mais". O recurso revela a data, hora e o local em que foi acessado.

5. Após verificar os logins, clique em "Sair de todas as sessões".

Vacinas contra câncer são testadas com êxito em laboratórios



Vacinas feitas “sob medida” para combater tipos mais fortes e perigosos de câncer estão dando resultados positivos, apontaram duas pesquisas realizadas sobre o assunto nos Estados Unidos e na Alemanha e publicadas pela revista “Nature” nesta quarta-feira, dia 5. De acordo com os estudos, que representam uma descoberta positiva em mais de 30 anos de pesquisa, as vacinas personalizadas começaram a obter bons resultados no seu trabalho de combater o tipo mais agressivo de tumor de pele: o melanoma. 


A luta contra o câncer acontece com armas diversas, ou seja, de maneira personalizada, atingindo as mutações particulares de cada paciente e destruindo as células cancerígenas sem danificar as sadias. Nas duas pesquisas a vacina ainda está na primeira fase de testes e a amostra de portadores de câncer ainda é pequena em ambas. No entanto, como informa a revista, as “duas estratégias de vacinação personalizada […] mostram ser seguras e oferecem benefícios clínicos aos pacientes de alto risco de melanoma”. 

O primeiro dos estudos foi conduzido pela pesquisadora Catherine Wu, do Instituto Dana-Farber para a Pesquisa sobre Câncer de Boston, nos EUA, em seis pessoas tratadas com substâncias administradas sob medida para combater de maneira mais eficiente o tumor de cada um. Já a segunda pesquisa foi conduzida pelo estudioso Ugur Sahin, da empresa alemã BioNTech, que utilizou uma vacina terapêutica destinada a atingir as mutações de cada paciente em nível individual em 13 pessoas com melanoma. Comentando os resultados das pesquisas na própria “Nature”, o professor Cornelius Melief, da Universidade de Leida, na Holanda, observou que para que as vacinas tenham resultados ainda mais positivos e totalmente corretos é preciso ao menos de uma segunda rodada de testes com uma amostra maior de indivíduos. 

E para o diretor do Centro de Imuno-Oncologia da Azienda Ospidalera Universitária de Siena, Michele Maio, os resultados dos dois trabalhos “demonstram que a imunoterapia dos tumores está dando grandes passos”. “Esses dois estudos usam uma nova abordagem, sobre a qual a comunidade científica está trabalhando há poucos anos. 

Ela consiste em focalizar a atenção nas mutações que se acumulam nas células tumorais com o passar do tempo e que geram proteínas anômalas completamente desconhecidas ao sistema imunológico, distintas em cada paciente”, concluiu Maio.