Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

sábado, 29 de outubro de 2016

Garçonete é flagrada fazendo sexo com cliente em restaurante

A atividade sexual ocorreu em uma cadeira do restaurante.
Cenas de casais fazendo sexo na rua ou em algum local público são frequentes e geralmente dividem opiniões, visto que em muitos desses lugares pode ocorrer circulação de pessoas e principalmente de crianças. Na Tailândia, um suposto 'casal' acabou optando por algo mais reservado. 

Em imagens que circulam pelas redes sociais, uma garçonete, cujo nome não foi divulgado, aparece fazendo sexo com um cliente dentro de um restaurante. O caso aconteceu no norte da Tailândia.

O registro foi feito poucos minutos após o restaurante fechar. As imagens foram postadas no início deste mês por um funcionário do restaurante e viralizou. A atividade sexual ocorreu em uma cadeira e, segundo o site Mirror, os envolvidos só pararam quando um outro funcionário chegou.

“O homem esperou até o fechamento do restaurante. Eles pensaram que estivesse tranquilo e que ninguém os incomodaria mas, infelizmente, havia câmeras por toda parte”, comentou o autor do vazamento à publicação.

Com informações do Metrópoles

A cientista de 13 anos que descobriu como criar energia limpa por apenas R$ 16



Americana Maanasa Mendu venceu concurso ao desenvolver equipamento que permite gerar eletricidade de forma simples e econômica.

A americana Maanasa Mendu, de 13 anos, ganhou um prêmio de US$ 25 mil dólares (R$ 80 mil) em um concurso de jovens talentos por ter inventado um equipamento que permite gerar energia renovável de forma acessível - ao custo aproximado de R$ 16.

A jovem contou à BBC como funciona sua criação:

"O dispositivo captura a energia que está constantemente disponível ao nosso redor para criar energia limpa", explicou Mendu ao programa Newsday.

O dispositivo se chama "Harvest" ("colheita", em inglês) e utiliza uma espécie de "folha solar", capaz de obter energia de precipitações, do vento e do sol, graças a pequenas células solares.

A princípio, sua ideia era focar unicamente na energia eólica, mas com a ajuda de sua mentora, a engenheira Margaux Mitera, a jovem descobriu que poderia aproveitar também outros tipos de energia natural.

A energia é gerada graças ao uso de um material piezoelétrico, que gera eletricidade a partir de uma força mecânica, acoplado ao aparelho.
Aparelho utiliza material piezoelétrico para gerar energia limpa (Foto: Discovery Education)
O dispositivo é um pouco rudimentar, mas cumpre o objetivo de produzir energia limpa de forma econômica.

Essa técnica não é nova, mas o interesse nela vem crescendo nos últimos anos. Há esperanças de que essa seja uma forma de lidar com o problema do abastecimento energético a longo prazo.

Após vencer o concurso, a jovem espera desenvolver um protótipo mais complexo, que possa ser comercializado.

Um problema global
Mendu diz que teve a ideia de fazer o aparelho durante sua última viagem à Índia.

"Todos os anos, a minha família, que é indiana, tem que conviver com apagões recorrentes", conta.

"Para mim, isso significa não ter acesso temporariamente ao ar-condicionado ou à eletricidade. Mas, para mais de um quinto da população mundial, os apagões são uma realidade permanente", conta ela.

A menina afirma querer desenvolver um sistema de iluminação que possa solucionar esse problema.

"O que realmente me motivou foi criar um dispositivo que poderia impactar o mundo," afirma ela.

O concurso teve nove finalistas dispostos a usar a criatividade para propor soluções a problemas reais

Esse é justamente o espírito da competição, de acordo com Bill Goodwyn, diretor executivo da Discovery Education, a organização que promoveu o concurso.

"A cada ano, esse concurso nos relembra a ingenuidade inspiradora que obtemos ao colocar a nossa geração mais jovem para aplicar a ciência, o pensamento crítico e a criatividade com o objetivo de sugerir soluções para problemas do mundo real", afirmou Goodwyn.

Mendu competiu com outros nove finalistas, que se mostraram como jovens talentos podem mudar o mundo.

Entre os projetos participantes, eles apresentaram bactérias geradoras de energia, um sensor para ajudar pessoas com dificuldades físicas, um simulador de reanimação cardiopulmonar e um dispositivo para controlar a poluição.

Fonte: G1 Natureza