Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Deputados aprovam aumento das custas judiciais no Ceará

Votação aconteceu na manhã desta quarta, após dias de adiamento pelos parlamentares. Crédito: José Leomar
A mensagem do Tribunal de Justiça que aumenta as custas judiciais no âmbito do Estado do Ceará foi aprovada na manhã desta quarta-feira (26) pelos deputados estaduais cearenses. Foram 21 votos favoráveis à aprovação da proposta, 14 contrários e duas abstenções.

As emendas também foram aprovadas com 26 votos favoráveis, 9 contrários e uma abstenção. Elas fazem algumas reduções nos valores de determinadas ações. A base governista votou, em sua grande maioria, pela aprovação da proposta, tendo a oposição e alguns integrantes do governo dividindo-se entre contrários e abstenções.

Os deputados Elmano Freitas (PT) e Dr Santana (PT) não seguiram o governo e votaram contrário à proposta. Já George Valentim (PCdoB) e David Durand (PRB) optaram pela abstenção.

Após a votação, os advogados que estavam presentes nas galerias entoaram um coro em que gritavam a palavra “vergonha”. Eles também citaram nomes de parlamentares que haviam votado de forma favorável à proposta.

COMO VOTOU CADA DEPUTADO

A favor

Tin Gomes (PHS)
Sérgio Aguiar (PDT)
Manoel Duca (PDT)
João Jaime (DEM)
Roberio Monteiro (PDT)
Antonio Granja (PDT)
Bethrose (PMB)
Bruno Pedrosa (PP)
Dr. Sarto (PDT)
Dr. Carlos Felipe (PCdoB)
Evandro Leitão (PDT)
Fernando Hugo (PP)
Ferreira Aragão (PDT)
Gony Arruda (PSD)
Julio César Filho (PDT)
Laís Nunes (PMB)
Leonardo Pinheiro (PP)
Moisés Braz (PT)
Osmar Baquit (PSD)
Rachel Marques (PT)
Zé Ailton Brasil (PP)

Contra

Ely Aguiar (PSDC)
Aderlânia Noronha (SD)
Audic Mota (PMDB)
Bruno Gonçalves (PEN)
Capitão Wagner (PR)
Carlos Matos (PSDB)
Dr. Santana (PT)
Dra. Silvana (PMDB)
Elmano Freitas (PT)
Fernanda Pessoa (PR)
Heitor Ferrer (PSB)
Renato Roseno (PSOL)
Roberto Mesquita (PSD)
Tomaz Holanda (PMDB)

Abstenção

David Durand (PRB)
George Valentim (PCdoB)

DN Online

64,4% das rodovias no Ceará possuem deficiências; malha viária é a 4º pior do NE

A Confederação Nacional do Transporte(CNT) divulgou nesta quarta-feira (26) a edição anual da pesquisa que avalia a situação das rodovias de todo o País. No Ceará, de acordo com o relatório, 64,4% da malha viária analisada, que inclui tanto estradas estaduais quanto federais, encontram-se em estado regular, ruim ou péssimo. O percentual coloca o Estado na 4ª pior posição na Região Nordeste no que se refere à qualidade das pistas, ficando atrás apenas do estados do Rio Grande do Norte, Sergipe e Piauí.

A pesquisa analisou as condições de pavimento, sinalização e geometria da via em 3.525 km de rodovias cearenses, sendo 2.336 federais e 1.189 estaduais. Foram considerados aspectos como condição de superfície do pavimento, condição da faixa central e de faixas laterais, e visibilidade e legibilidade de placas.

De acordo com os dados, 58,1% da extensão viária foi considerada em estado regular, ruim ou péssimo no que se refere ao pavimento. Cerca de 65,8% da malha está com pavimento desgastado; 9% com trincas em malha ou remendos; 3,2% com afundamentos, ondulações ou buracos; e 0,6% se encontra totalmente destruída.

A sinalização obteve melhor desempenho na pesquisa. Ao todo, 45,8% das estradas estão em situação regular, ruim ou péssima. Nas rodovias, 96,5% da extensão tem placas visíveis e 90,9% placas legíveis. Já a pintura das faixas centrais e laterais são visíveis em 71,3% e 67,4% da malha viária, respectivamente.

Sobre a geometria da via (que envolve o perfil da rodovia, a presença de faixa adicional de subida, presença de pontes e viadutos, presença de curvas perigosas, presença de acostamentos e outros pontos), os dados da CNT revelaram que 85,9% da extensão avaliada está em situação regular, ruim ou péssima.

DN Online