Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

sábado, 17 de dezembro de 2016

SEXTA-FEIRA COMEÇA VIOLENTA COM TRÊS CASOS DE ASSASSINATOS NA REGIÃO METROPOLITA E NO INTERIOR


Crimes de morte foram registrados pela Polícia nos Municípios de Paraipaba, Juazeiro do Norte e Pacajus A manhã desta sexta-feira (16) começou violenta no Ceará, com o registro de, pelo menos, três assassinatos. Um deles ocorreu logo cedo na periferia da cidade de Paraipaba, no Vale do Curu (a 115Km de Fortaleza). Já na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) o segundo homicídio aconteceu em Pacajus. O terceiro crime aconteceu em Juazeiro do Norte, no Cariri. Era por volta de 5h20 quando a Polícia Militar de Paraipaba foi acionada para o local do crime, na comunidade das Barreiras, onde um homem que trafegava em sua motocicleta foi atingido por vários tiros. A equipe da PM, sob o comando do sargento Arlândio, compareceu ao local e identificou o morto como Francisco Carneiro de Almeida, 38 anos. Moradores revelaram que ouviram uma sequência de disparos e logo encontraram o corpo ao lado da motocicleta. Segundo a Polícia, o homem assassinado não tinha histórico criminal e era um trabalhador. Todos os dias se deslocava para a localidade de Calumbi, onde trabalhava numa fábrica de derivados de coco. Segundo o sargento Arlândio, que compareceu no local do crime juntamente com o sargento Teixeira e o soldado Vasconcelos, aparentemente não foi um crime de latrocínio (roubo seguido de morte). “A motocicleta e o celular da vítima estão no local”, afirmou. Segundo ele, o assassino usou um revólver de calibre 38 e disparou, inicialmente, cinco tiros. Depois, recarregou a arma e disparou mais duas vezes. Alguns dos tiros atingiram a cabeça do homem. Outros Já na cidade de Pacajus, na RMF, um jovem foi assassinado quando estava trabalhando em um lava-jato. O crime ocorreu por volta de 10 horas, no bairro Croatá, periferia do Município. Bandidos invadiram o local e dispararam vários no momento em que o rapaz lavava um automóvel. Ele foi identificado somente por Felipe. Em Juazeiro do Norte, outro jovem foi também morto, O crime ocorreu no bairro Frei Damião. O corpo foi encontrado em uma casa abandonada. A Polícia não conseguiu pistas para desvendar o caso. Ceara News 7

CONGRESSO APROVA AUMENTO DE SALÁRIO MÍNIMO PARA R$ 945,80 NO ANO QUE VEM




O salário mínimo de 2017 será de R$ 945,80. O valor é 7,5% maior do que o deste ano (R$ 880,00). A definição saiu na noite desta quinta-feira (15), na votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2017, pelo Congresso Nacional. O projeto ainda amplia em aproximadamente R$ 10 bilhões os recursos previstos para a Saúde. 

O valor do mínimo é calculado pela variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) acumulada neste ano (estimada em 7,5%) mais a taxa de crescimento real do Produto Interno Bruto (PIB) apurada pelo IBGE em 2015 (o PIB foi de -3,8%).

Na prática, não haverá aumento real do salário mínimo, pois não houve crescimento do PIB. Assim, o índice de correção concedido deverá cobrir apenas a inflação do período e nada mais.

Segundo o Dieese, no entanto, o salário mínimo referente ao mês de novembro deveria ser de pelo menos R$ 3.940,41 para alguém viver minimamente bem no País.

“Esse aumento de R$ 65,80 não faz frente às despesas do cidadão e muito menos da família. Ele é só uma referência econômica. Como uma família vive com isso?”, questiona o especialista em economia Hélio Hallite.

A economista Karla Diaz também diz que o aumento não fará muito alívio ao bolso dos brasileiros. “Diante de todos os aumentos que acompanhamos este ano, realmente o trabalhador quase nem sentirá que houve mudança em seu salário”.

A Lei Orçamentária Anual (LOA) do ano que vem já respeita as regras aprovadas pelo Congresso na PEC do teto de gastos, que limitam o crescimento do gasto público à inflação do ano anterior.

As áreas da saúde e educação é que ficarão de fora dessa novidade, pelo menos por enquanto, já que entrarão nesse teto em 2018.

Agora, o projeto segue para a sanção do presidente Michel Temer.

FONTE: A TRIBUNA