Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Superação: Homem com rosto deformado vence preconceitos por meio da dança

Dançarino dá show de superação (FOTO: Reprodução TV Jangadeiro)
O dançarino Edy Style tem uma história de superação. Foram preconceitos e obstáculos frequentes em sua vida, mas ele tirou tudo isso de letra. Após um acidente, ainda quando era bebê, o curitibano Edy teve o rosto transfigurado e parte do braço esquerdo amputado.

Mesmo sem saber explicar o que aconteceu, ele conta ao programa Gente na TV, da TV Jangadeiro/SBT, que foi abandonado no hospital pelos pais após o acidente. Depois disso, nunca mais teve contato os pais biológicos. “Só por ter esse problema visível, não significa que eu tenha tanto sofrimento quanto qualquer outra pessoa. Cada um vive superação todos os dias”.

A dança foi uma paixão a primeira vista. Ele começou imitando o rei do pop Michael Jackson, aos 8 anos, e nunca mais parou. “Eu treinava bastante desde criança, mas quando o vi [o Michael Jackson] fazendo, eu falei: cara, eu quero isso para mim”.

Ele começou a dar aula de dança aos 15 anos e já passou por vários ritmos, como: dança de rua e de salão. Agora, ele está em Fortaleza para dar aula de Kizomba, um ritmo africano, que nasceu da mistura de dois ouros ritmos. É uma dança a dois e que veio resgatar algo que está meio perdido no mundo hoje em dia: o abraço. O ritmo também é conhecido com a dança da conexão, a dança do gostosinho, a dança do abraço. 

Veja mais detalhes no vídeo.
 
  


Fonte Tribuna do Ceará

Ex-integrante da dupla Thaeme e Thiago deixa prisão em São Paulo


O cantor Thiago Servo, ex-integrante da dupla Thaeme e Thiago, deixou a prisão em Jacareí, interior de São Paulo, na última terça-feira, 13. O sertanejo, preso no último sábado, 10, por não pagar pensão alimentícia para a filha de 4 anos, pagou uma parte da dívida de R$ 500 mil.

Thiago pretende agora entrar com pedido de guarda compartilhada. De acordo com o advogado do cantor, Cezar Maksound, um depósito num valor que não pode ser divulgado foi feito, mas não teve acordo com a mãe da criança. “Foi uma decisão muito justa e acertada do juiz. Thiago mostrou que quer criar a filha, quer trabalhar para sustentá-la, mas não pode pagar este valor exorbitante de pensão. É fora dos padrões”, disse Cezar Maksoud em entrevista ao site Ego.

Ao site Ego, Thiago falou que o momento é de agradecer. O cantor, que vai retomar a carreira, pedirá na Justiça para rebaixar o valor da pensão. “Meu maior desejo é ver a minha filha. Sempre tive dificuldade de vê-la por causa da mãe. Só quero criar a minha filha, quero a guarda compartilhada”.




Fonte O Povo

Em último discurso como presidente do Senado, Renan critica Ministério Público

Na última sessão deliberativa do ano e também a última conduzida por ele na Presidência do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), discursou aos colegas para informar sobre a decisão do ministro Teori Zavaski, do Supremo Tribunal Federal, de devolver a denúncia apresentada contra ele pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

“Eu queria, no momento em que me despeço dos senadores, dizer que estou há nove anos sob devassa intensa e sob investigação. Há nove anos que os meus sigilos foram todos entregues à Procuradoria-Geral da República, à Receita Federal, à Polícia Federal”, disse. “Eu não temo absolutamente nada. A minha vida foi e continua sendo devassada. Eu não tenho nenhum problema na minha vida pública e nem na minha vida pessoal”, disse.

Renan voltou a criticar a atuação do Ministério Público que, segundo ele, vem agindo politicamente contra o Congresso Nacional. “Contra o Congresso Nacional pediram tudo, absolutamente tudo, quiseram tudo. Desde a invasão do Congresso, passando pela prisão da Polícia Legislativa, até o pedido de prisão do presidente do Congresso Nacional porque estaria obstruindo a Operação Lava Jato”, pontuou Renan.

O senador voltou a dizer que o MP tem perdido a condição de fiscal da lei por não manter a isenção. Mais cedo, ele retirou de pauta e remeteu à Comissão de Constituição e Justiça do Senado o projeto de lei que trata do abuso de autoridade, porque o plenário estava disposto a aprovar um requerimento para a retirada da urgência do projeto. A matéria era defendida por Renan, que acusa o Ministério Público de agir com excessos e vinha sendo motivo de embates com membros do Judiciário.

(Agência Brasil)