Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Conheça 7 mitos e verdades sobre a gastrite


Caracterizada pela inflamação crônica na mucosa do estômago por uma bactéria chamada Helicobacter pylori e responsável por sintomas como sensação de dor na boca do estômago, náusea e/ou vômitos, estima-se que 70% da população do Brasil seja portadora da gastrite, de acordo com a Federação Brasileira de Gastroenterologia (FBG).

Segundo o coordenador de diretrizes e protocolos da Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva (SOBED), Claudio Lyoiti Hashimoto, a gastrite não tratada pode comprometer a saúde.

“Dependendo do tipo de gastrite, se o causador da lesão gástrica não for retirado, como no caso dos medicamentos anti-inflamatórios e álcool, a situação pode se agravar bastante, resultando em outros males como úlcera, gastrite crônica, atrofia gástrica e até mesmo câncer.”

Hashimoto ressalta também que existem situações em que é necessário realizar exames antes de começar o tratamento com remédios:

“A endoscopia digestiva e o raio-X do trato digestivo são procedimentos imprescindíveis para avaliar o aparelho digestivo, entretanto somente a endoscopia pode coletar amostras para a realização de biópsias”.

Confira os mitos e verdades sobre a gastrite, de acordo com a SOBED:

1) A gastrite é hereditária.

MITO. A gastrite é uma condição adquirida, causada por infecção ou pela ação de agentes irritantes e não tem relação com hereditariedade. Por outro lado, alguns tipos de câncer de estômago podem ter influência da hereditariedade.

2) O estresse do dia a dia causa gastrite.

VERDADE com ressalvas. Situações cada vez mais comuns no cotidiano como estresse com o trabalho, preocupação com segurança, resultam em liberação de maior quantidade de hormônios do estresse (cortisol e adrenalina), que aumentam a secreção de suco gástrico e reduzem a defesa do estômago. Podem, portanto, acentuar os sintomas de quem já é portador de gastrite.

3) Existe cura para a doença.

VERDADE com ressalvas. As lesões agudas da mucosa gástrica, causadas pelo consumo frequente de álcool, uso prolongado de anti-inflamatórios ou até mesmo pela bactéria Helicobacter pylori, podem ser reversíveis com a interrupção do fator irritante ou com a erradicação da bactéria. Entretanto, a gastrite crônica com evolução para atrofia e metalepsia é irreversível.

4) Leite ameniza a dor.

MITO. A ingestão de leite frio pode amenizar o desconforto de imediato, entretanto, o leite é um alimento rico em proteína e cálcio, que são potentes estimulantes da secreção de ácido pelo estômago. Portanto, pode até acentuar os sintomas de dor posteriormente.

5) Ficar sem comer pode estimular a gastrite.

VERDADE. Longos períodos de jejum podem acentuar os sintomas da gastrite, mas não necessariamente causar a doença.

6) Chiclete piora a gastrite.

VERDADE. O hábito de mascar chiclete e chupar balas estimula a produção de suco gástrico e, consequentemente, da secreção de ácido pelo estômago. Nesse caso, os sintomas de gastrite podem piorar, sem, contudo, ser a causa primária da doença.

7) Quem tem gastrite não pode tomar café nem refrigerante.

Verdade com ressalvas. O café contém cafeína e xantinas, estimulantes do sistema nervoso que acabam por produzir o ácido no estômago, havendo o risco de aumentar os sintomas de refluxo e dor, sem, entretanto, ser a causa da doença, mas fator de piora dos sintomas. Já os refrigerantes podem agravar os sintomas pelo seu efeito irritativo devido ao pH ácido, além de acentuar o desconforto e distensão abdominal devido à alta quantidade de gases.




Fonte Noticias ao Minuto

Duas semanas após tragédia, Neto é informado sobre acidente da Chapecoense


Zagueiro foi informado sobre o acidente nesta segunda-feira

Ainda se recuperando do acidente com o avião da Chapecoense, o zagueiro Neto foi informado nesta segunda-feira, sobre a tragédia que tirou a vida de seus companheiros de equipe, há duas semanas. O médico Carlos Mendonça foi quem conversou com o jogador e falou como foi o momento da revelação.

- Nós conversamos com o Neto hoje (segunda), falamos sobre o acidente, em comum acordo com a equipe clínica do hospital para que não houvesse nenhum problema na recuperação clínica e no estado emocional dele. Então, junto com a psicóloga, falamos com ele hoje. No início ficou muito emocionado porque não sabia, mas ele é muito forte e entendeu - disse o médico.

Carlos revelou ainda que a conversa com o jogador foi bem longa e tudo foi explicado de forma delicada para o zagueiro sobrevivente do acidente aéreo.

- Eu fiquei quase duas horas conversando com ele sobre esse assunto no quarto. Ele me perguntou sobre tudo, eu respondi sobre tudo e ele está totalmente consciente de tudo e acho que isso vai ser bom para a recuperação dele. Porque estava ficando um peso muito grande sobre a família, principalmente, sobre a esposa. Ele perguntava e a esposa não podia falar e gerava um transtorno muito grande. Então, levamos até onde deu.

Zagueiro vem se recuperando normalmente e de acordo com os médicos está com o quadro de saúde estável.

- O Neto está ainda na unidade de cuidados intensivos, está bem, estável, consciente, ficou sabendo hoje de toda a história do acidente, do que aconteceu, mas está tranquilo. Está triste, mas as coisas estão evoluindo bem - disse o também médico Edson Stakonski.




Fonte O Povo

Cidade no Rio Grande do Norte registra 17 tremores de terra em seis horas


Casa destruída durante tremor de terra na mesma cidade, em 1986. (Foto: divulgação)

O município de João Câmara, localizado na região agreste do Rio Grande do Norte, registrou ao menos 17 tremores de terra na madrugada de segunda-feira (12), entre 0h e 6h. Segundo dados do LabSis (Laboratório Sismológico) da UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte), o maior abalo sísmico registrado nesta madrugada teve magnitude 2,1 na escala Richter.

Apesar do susto dos moradores, ninguém se feriu e nenhum imóvel desabou em consequência dos tremores de terra em João Câmara. Há relatos de telhas que saíram do lugar com a vibração das paredes, portas e janelas, mas nenhum dano grave, segundo a Defesa Civil Municipal.

Há 30 anos, em 30 de novembro de 1986, o município foi atingido por um terremoto de magnitude 5,1 na escala Richter e mais de 3.000 casas e imóveis foram destruídos. Assustados, moradores se mudaram da cidade, e os imóveis perderam valor.

Naquele período, a região vivia uma atividade sísmica intensa, com tremores medianos que só cessaram em 1993. Desde lá, a cidade registrou outros tremores com menos intensidade, mas sempre com intervalos mais longos.

A atividade sísmica em João Câmara é ocasionada devido a movimentos de placas tectônicas, pois o município está localizado em cima da falha geológica denominada de "Samabaia". A falha também corta os municípios de Pureza, Poço Branco, Taipu e Parazinho.

Segundo o Labsis, a falha geológica mede 38 km de extensão, fica entre os Estados do Rio Grande do Norte e Ceará e é a maior do país.

O técnico do LabSis e professor do Departamento de Geofísica da UFRN Eduardo Menezes relatou que a população está assustada e questionando se as atividades sísmicas retornaram.

"Aquele evento de 1986 assustou todos os moradores na época, ninguém queria morar em João Câmara com medo e as pessoas não querem viver novamente aquela situação. Apesar do nosso monitoramento da atividade sísmica na região, não há como prever se ocorrerão novos abalos sísmicos e a intensidade dos mesmos", destaca o técnico do LabSis.

Menezes explicou que a magnitude de 2,1 é considerada de pequena intensidade e, na maioria dos registros, não ocasiona danos materiais. "Dependendo da fragilidade da construção, esses tremores podem ocasionar fissuras nas paredes. Muitas vezes também a população não sente o abalo sísmico devido à baixa intensidade, mas, como fazia algum tempo que não era registrada atividade sísmica em João Câmara, as pessoas se assustaram."



Fonte Uol