Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

domingo, 15 de janeiro de 2017

IMAGENS FORTES! Vídeo mostra presos decapitados durante rebelião no maior presídio do Rio Grande do Norte


O Brasil viveu neste sábado mais um dia de terror. Desta vez foi no maior presídio do Rio Grande do Norte, a Penitenciária Estadual de Alcaçus, na Grande Natal.

Um vídeo postado no final desta matéria mostra cenas de selvageria dentro do presídio. São imagens fortíssimas. 

Assim como em Manaus, vários presos foram decapitados.

Segundo o Governo do Rio Grande do Norte, até as 21h pelo menos 10 presos morreram durante a rebelião iniciada na tarde deste sábado (14).

De acordo com nota emitida pelo Governo do Estado, a rebelião, que teve início por volta das 17h, partiu de uma briga entre presos dos pavilhões 4 e 5 e está restrita aos dois pavilhões.

Ainda não há confirmação de fuga. Segundo a presidente do Sindicato dos Agentes Penietnciários, Vilma Batista, homens em um carro se aproximaram do presídio antes da rebelião e jogaram armas por sobre o muro.

Zemilton Silva disse ainda não saber se os presos dos outros pavilhões também se rebelaram. O chamado pavilhão 5 é o presídio Rogério Coutinho Madruga, que fica anexo à Alcaçuz, em Nísia Floresta.

Há separação entre presos de facções criminosas entre esses dois presídios. A penitenciária de Alcaçuz tem cerca de 1150 presos e capacidade para 620 detentos, segundo a Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejuc).


Policiais militares e agentes penitenciários vão esperar o dia amanhecer para entrar nos pavilhões de Alcaçuz.

A área externa do presídio já está sob o controle das autoridades, segundo a Polícia Militar. As saídas foram bloqueadas e o Corpo de Bombeiros está fazendo barricadas no local.  ////portaldozacarias.

Crise no sistema prisional da Região Norte deve servir de alerta para o combate ao tráfico de drogas que abastece o Brasil rico e o primeiro mundo

Foto: Reprodução / Internet
Precisou que uma tragédia com as proporções do massacre que ocorreu no sistema prisional dos estados do Amazonas e de Roraima para que as autoridades do poder central começassem a entender que proteger, policiar e fiscalizar as fronteiras norte do Brasil é forma mais eficaz e barata de combate ao crime organizado, tráfico de entorpecentes e armas e melhoria do sistema carcerário.

O aparelhamento do estado nas regiões limítrofes aos países produtores de drogas vai inviabilizar o comércio em larga escala e salvar vidas preciosas no Amazonas, nas regiões mais ricas do estado brasileiro e no exterior; é providencia urgente que se impõe.

Acerta o governador José Melo ao propor um pacto nacional para o enfrentamento ao tráfico das drogas ilícitas que escoam pelos rios amazônicos até o seu destinatário final.

Quando o Brasil rico e desenvolvido compreender que a droga consumida nos grandes centros urbanos é produzida na Colômbia e no Peru e que o estado do Amazonas serve tão somente de corredor para a distribuição ao grande centro consumidor brasileiro, europeu e Estados unidos, olhará para as regiões Norte e nordeste com mais respeito.

O papel das Forças Armadas precisa ser repensado com urgência, e os pelotões de fronteiras precisam adquirir o poder de polícia para coibir essa terrível chaga que assassina vidas e sonhos. O tráfico de drogas precisa ser visto com uma questão de segurança nacional e não de segurança pública, apenas.
Espera-se que a morte de centenas de criminosos condenados possa servir de alerta para o governo central realize uma reforma constitucional e confira as forças armadas o poder de polícia para garantir a vida e a paz coletiva. (AZ) ///////portaldozacarias.