Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

sábado, 21 de janeiro de 2017

MAIOR DO MUNDO: Homem com pênis de meio metro recusa ajuda de médicos para ter vida normal, veja o vídeo


Na cultura latina, quando se trata de órgão genital masculino, muitos homens consideram como “quanto maior melhor”. Mas ter o pênis maior que o considerado normal pode representar um grande problema, prova disso é o mexicano Roberto Esquivel Cabrera, 54 anos, que tem nada mais, nada menos do que 48 centímetros de estrutura fálica (flácida). Em 2015, vídeos com Roberto viralizaram nas redes sociais e várias hipóteses foram levantadas, incluindo que tudo não passava de uma montagem. “Eu gostaria de entrar no Guinness Book, mas eles não reconheceram o recorde”, contou Roberto em entrevista a Barcroft TV. Mas médicos comprovaram que o pênis é verídico e isso traz muitas dificuldades para o homem. Em janeiro deste ano, sensibilizados com a situação, médicos ofereceram uma cirurgia para que ele pudesse ter um pênis com o tamanho considerado normal e, desta forma, ter uma vida sexual ativa. Os argumentos foram desde evitar que Roberto se machuque – ele só consegue dormir de barriga para cima – até ter filhos. Não adiantou. “Para os latinos, ter um pênis grande significa ser mais homem, é algo que o torna diferente, ele se sente especial”, explicou o Dr. Jesus David Salazar. O médico explicou ainda as técnicas utilizadas por Roberto Esquivel para que tivesse um pênis nesse tamanho, explicou David. Veja o vídeo que viralizou: Atenção (conteúdo para adultos):  Fonte: Uol

PRESOS INTERROMPEM REBELIÃO EM ALCAÇUZ PARA CULTO RELIGIOSO



Presos fizeram culto na manhã desta sexta (20) dentro de Alcaçuz (Foto: Magnus Nascimento) Parte dos presos da Penitenciária Estadual de Alcaçuz, no Rio Grande do Norte, interromperam a rebelião que acontece desde sábado (14) para a realização de um culto evangélico nesta sexta (20). Os detentos entoaram músicas religiosas e fizeram orações. Além de um violão, os presos contavam com caixa de som, microfones, cadeiras de plástico e até um púlpito para a celebração religiosa. Apesar da pausa para o culto, o clima continua tenso na unidade prisional. Desde sábado, pelo menos 26 presos já morreram na rebelião. Na manhã desta sexta os presos continuavam soltos pelos pavilhões e pelos pátios do presídio. Também era possível ver detentos sobre os telhados da unidade. O ministro da Defesa, Raul Jungmann, está em Natal e disse que o governo federal não vai "admitir descontrole". Militares das Forças Armadas estão na capital potiguar para garantir a segurança nas ruas. Também nesta sexta (20), cinco presos do PCC se negaram a sair de Alcaçuz para progressão do regime fechado para o semiaberto. Outros onze detentos foram levados de Alcaçuz para o Complexo Penal João Chaves, onde deverão cumprir o semiaberto. Nesta situação, eles passam o dia fora da unidade e só voltam para dormir. Um outro preso saiu pela porta da frente de Alcaçuz em cumprimento a um alvará de soltura. O Corpo de Bombeiros resgatou três presos que estavam feridos dentro da penitenciária. Nesta quinta-feira (19), houve novo confronto entre os presos. A PM diz que há mais mortos, mas ainda não sabe quantos. Onze presos deixaram a Penitenciária nesta sexta em cumprimento a ordens judiciais de progressão do regime fechado para o semiaberto. Um preso saiu por força de um alvará de soltura e outros cinco - membros do PCC - se negaram a deixar a unidade, apesar de terem direito a progressão de regime. Transferências Mais de 200 presos já foram transferidos de Alcaçuz desde o último sábado (14). Na segunda-feira (16), cinco presos foram retirados de Alcaçuz. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, entre eles estão os chefes do PCC, facção que promoveu a matança de presos entre o sábado (14) e o domingo (15) dentro da unidade. Os presos transferidos foram Paulo da Silva Santos, João Francisco do Santos, José Cândido Prado, Paulo Márcio Rodrigues de Araújo e Thiago Souza Soares. Presos se confrontam em Alcaçuz (Foto: Andressa Anholete/AFP) Fernanda Zauli Do G1 RN