Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

FLAGRANTE DO INTERNAUTA: MULHER É FLAGRADA TRANSPORTANDO DUAS CABRAS NAS MÃOS EM UMA MOTOCICLETA; VÍDEO


O flagrante foi registrada na manhã desta sexta-feira (11) no Centro de Sobral. Uma mulher foi flagrada transportando duas cabras nas mãos em uma motocicleta.

Confira o vídeo:


Fonte: Sobral 24 horas

CORRUPÇÃO: Marcelo Odebrecht diz em delação premiada que Lula recebeu propina em dinheiro vivo



Os repasses foram efetuados, em sua maioria, quando ex-presidente não mais ocupava o Palácio do Planalto.

O herdeiro e ex-presidente da empresa que leva seu nome, Marcelo Odebrecht, afirmou em delação premiada ao Ministério Público Federal (MPF) que entregou dinheiro vivo ao ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva. Os repasses foram efetuados, em sua maioria, quando Lula não mais ocupava o Palácio do Planalto. O maior fluxo ocorreu entre 2012 e 2013, informa reportagem da revista Istoé

Segundo a publicação, foram milhões de reais originários do setor de Operações Estruturadas da Odebrecht - o já conhecido departamento da propina da empresa. A Polícia Federal já confirmou que, aproximadamente R$ 8 milhões foram transferidos ao petista. Fontes que tiveram acesso à delação de Marcelo Odebrecht, revelaram à Istoé que o dinheiro repassado a Lula em espécie derivou desse montante.

O depoimento revelado pela Istoé comprova que Lula não só esteve presente durante as negociatas envolvendo dinheiro sujo, como aceitou receber em espécie. "Se os repasses representavam meras contrapartidas a 'palestras', como a defesa do ex-presidente costuma repetir, e se havia lastro e sustentação legal, por que os pagamentos em dinheiro vivo", questiona a reportagem assinada por Débora Bergamasco, Sérgio Pardellas e Mário Simas Filho.

Com informações da ISTO É
Foto ilustrativa