Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Mais de 25 mil cearenses ainda não sacaram abono salarial de 2014


No Ceará, mais de 25 mil pessoas ainda não sacaram o Abono Salarial do PIS (Programa de Integração Social), do ano-base 2014. O prazo termina dia 31 de agosto. O valor é de um salário mínimo (R$ 880) e está disponível em qualquer agência da Caixa.
O ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, pede o apoio de empregadores e entidades sindicais para que ajudem a divulgar a informação entre os empregados e filiados. “Precisamos fazer com que a informação chegue a um maior número possível de pessoas porque esse é um benefício importante e é um direito do trabalhador”, diz.
Têm direito ao abono salarial os trabalhadores que tenham exercido atividade remunerada durante pelo menos 30 dias em 2014 e recebido até dois salários mínimos por mês nesse período.
Além disso, é necessário estar cadastrado no PIS há pelo menos cinco anos e ter tido seus dados informados corretamente pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS).
Os trabalhadores podem consultar se têm direito ao benefício pelo portal do Ministério do Trabalho,inserindo CPF ou número do PIS/Pasep e data de nascimento. Para os trabalhadores do serviço público que recebem o PASEP é preciso procurar o Banco do Brasil pelo número 0800-729 00 01.
Com G1/CE

VIOLÊNCIA: Ceará tem 3ª maior taxa de homicídios de crianças e adolescentes no Brasil

O Ceará também tem o maior total de homicídios por arma de fogo de crianças e adolescentes entre todos os estados do Nordeste.
O Ceará ocupa a terceira posição nos índices de homicídios de crianças e adolescentes no Brasil. Os dados da vulnerabilidade dessa faixa etária foram reunidos e divulgados nesta terça-feira (16) pela Fundação Abrinq, com base nas informações do Mapa da Violência 2015, e integram o Observatório da Criança e do Adolescente.

No escopo de homicídios, o Ceará ocupa a primeira posição, entre os estados do Nordeste, no índice de mortes por arma de fogo. Também chama atenção a proporção de homicídios por armas de fogo em Fortaleza, que ultrapassa a proporção dos estados nordestinos e é a segunda maior da região em comparação com as capitais.

No Ceará, 30,4% dos homicídios cometidos são contra crianças e adolescentes. O estado perde apenas para o Espírito Santo, cuja proporção é de 32,8% dos casos, e Alagoas, que abrange um total de 40,4% desse tipo de crime. A situação tem se agravado desde 2011, quando o Ceará deu o maior salto no índice de crimes contra o grupo etário, passando de 17,8% para 29,4% dos crimes.

“Os homicídios de crianças e adolescentes refletem a escalada de violência que acomete o Estado do Ceará nos últimos anos. O agravante é que tais casos possuem pouca repercussão social e, por causa disso, a investigação de tais crimes não é prioritária entre os órgãos de segurança. A grande maioria dos assassinatos permanece sem a identificação de autoria, contribuindo para a sensação de impunidade existente nesse tipo de crime”, pontua o sociólogo e pesquisador do Laboratório de Estudos sobre Violência, da Universidade Federal do Ceará (LEV-UFC), Ricardo Moura.

Para Moura, o Poder Público precisa compreender tal grupo etário como pessoas portadoras de dignidade e potencial, pois essa percepção influencia na implementação de políticas públicas. “O que temos hoje é uma percepção dos jovens da periferia como um problema a ser resolvido. Há diversas experiências positivas nesse sentido que poderiam ser expandidas”, ressalta o pesquisador, destacando ações com a criação dos Centros Urbanos de Cultura, Arte, Ciência e Esporte (Cucas) de Fortaleza.

Ele sugere que seja feita uma revisão, para baixo, na faixa etária de abrangência de ações do tipo, haja vista que as vítimas de homicídios têm cada vez menos idade. Os dados divulgados pela Fundação Abrinq não têm números específicos para os municípios.


Armas de fogo

Também no âmbito da violência por homicídio, o Ceará tem o maior índice no Nordeste de crimes por armas de fogo contra crianças e adolescentes. A proporção é de 26,4%, segundo dados preliminares de 2014. Em 2013, o índice foi de 23,7% dos crimes. Na capital, a proporção é ainda mais grave: 30,1% dos homicídios contra o grupo etário foram causados por armas de fogo. Entre as capitais do Nordeste, Fortaleza perde apenas para Macéio (AL), cuja proporção é 31,1%.

Ricardo Moura afirma que a falta de maior controle sobre a circulação das armas de fogo, por exemplo, é um agravante dessa situação. Ainda assim, não é possível estabelecer um diagnóstico do problema sem estudos aprofundados.

“A violência é a parte visível da ausência da escola, de equipamentos de cultura e lazer, da falta de proteção às famílias, do sistema de garantias de direitos não funcionar de forma adequada na localidade, ou seja, acaba aparecendo como a ponta visível desse conjunto de vulnerabilidades”, destacou a administradora-executiva da Fundação Abrinq, Heloisa Oliveira, durante apresentação dos dados.

Com informações de Tribuna do Ceará
Por Jéssica Welma em Segurança Pública

Fortaleza: Polícia Militar aprende Fuzil na comunidade do Gueto

Uma operação realizada na manhã desta quarta-feira (17), na comunidade do Gueto, resultou na apreensão de um fuzil, munições, dois carregadores para fuzil, drogas e uma capa para colete.

Foram apreendidos um fuzil 380, dois carregadores, munições calibre 556 e 380, uma pistola 9 milímetros, 7 kg de crack e uma capa de colete. Ainda segundo relatos, a droga foi passada na graxa, para enganar os cães farejadores.

A operação foi montada para destruir barricadas feitas por traficantes para impedir a entrada de policiais. Durante o trabalho, foram descobertos alguns túneis onde os materiais apreendidos estavam escondidos. A Polícia continua realizando buscas, pois acredita que existem mais drogas e armas escondidas.

Estima-se que o prejuízo aos traficantes seja de aproximadamente R$ 100 mil. Ninguém foi preso. 

O Gueto é uma comunidade localizada próximo à avenida Francisco Sá, onde antes funcionava a Vilejack, fábrica de confecção de jeans. Após a desativação da empresa, o terreno foi invadido.
Com informações do Portal CNEWS