Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Portador do HIV que fazia sexo sem camisinha se apresenta à Justiça


O empresário Renato Peixoto Leal Filho, 43, denunciado por lesão corporal gravíssima por tentar contaminar parceiras sexuais com o vírus HIV, apresentou-se na segunda-feira (3) à Justiça. Ele fazia sexo sem preservativo mesmo sabendo-se portador do vírus e só depois informava suas condições às mulheres. O caso veio à tona há dois anos, quando uma das vítimas procurou a polícia para denunciá-lo.
Em seguida, outra mulher prestou depoimento relatando o mesmo fato. Elas disseram que ele marcava encontros via redes sociais com mulheres e depois as convencia a ter relações sem proteção. Dizia que queria "marcar a vida" da parceira.
Em entrevista ao jornal carioca Extra, o empresário afirmou ser soropositivo e ter transmitido a doença para duas ex-companheiras, mas negou que tenha feito sexo sem preservativo com o intuito de infectar a parceira.
Existe um mandado de prisão preventiva contra ele expedido em 30 de maio. Mas o empresário não foi encontrado e passou a ser considerado foragido. A defesa de Leal recorreu e teve seu pedido negado.
Acompanhado por seu advogado, ele foi nesta segunda-feira (3) ao cartório da 19ª Vara Criminal da capital, durante o expediente forense.
O cartório, então, orientou o empresário a comparecer à 5ª Delegacia de Polícia, no centro, para que de lá ela seja encaminhado ao sistema penitenciário. Nesta quinta-feira (6), está agendada audiência de instrução e julgamento do caso, com a sua presença.
Fonte: Uol Notícias

PT diz que recorrerá a órgãos internacionais por candidatura de Lula


Recém-empossada presidente do PT, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), afirmou nesta quinta-feira, 6, a intenção do partido de procurar órgãos internacionais caso o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva seja impossibilitado de disputar as eleições de 2018. O petista é réu em processo na Justiça Federal do Paraná e, caso haja uma condenação em segunda instância, ele será declarado ficha suja.

Segundo Gleisi, uma eventual condenação pelo juiz Sérgio Moro, responsável pelo caso do ex-presidente, seria uma decisão política e, por isso, o partido não reconhecerá.

"Não vamos aceitar uma condenação sem fazer questionamento político. Vamos fazer denúncia internacional, mobilização, não vamos reconhecer. Esperamos que o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) tenha com Lula o mesmo tratamento que teve com o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto. Não há nenhuma prova que incrimine o ex-presidente Lula. A decisão do juiz Sérgio Moro é uma decisão política", disse Gleisi em entrevista durante encontro do partido em Brasília.

Lula é réu em cinco ações, duas delas na Operação Lava Jato, sob responsabilidade de Moro. Na primeira delas, é acusado de omitir a posse de um tríplex no Guarujá, no litoral de São Paulo. O imóvel, segundo sustenta o Ministério Público, foi doado como forma de propina.


Direção

O PT se reúne em Brasília para escolher a nova composição do seu Diretório Nacional. No encontro, o partido também reafirmou sua posição de não concordar que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), assuma a Presidência da República em caso de afastamento de Michel Temer. Segundo Gleisi, a única alternativa para o partido é a convocação de eleições diretas.

"Desde já, se tiver qualquer situação que envolva um governo indireto, será fora esse governo indireto também. Avaliamos que trocar um golpista por outro não tem diferença alguma. Ambos tem responsabilidade pelas reformas que estão sendo votadas no Congresso e não serão reconhecidos pelo PT", afirmou ela.

Ela cobrou que integrantes do PSDB também se juntem ao movimento por eleições diretas após o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso defender a antecipação da disputa eleitoral de 2018.

"Espero que o PSDB possa se alinhar ao FHC e assine a PEC que defende a eleição direta. Se vai desembarcar do governo Temer, que pelo menos tenha uma posição mais honrosa", disse Gleisi.
Fonte O Povo