Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

domingo, 2 de julho de 2017

Quinze anos após matar os pais, Suzane pede para deixar a prisão

Suzane von Richthofen

Condenada a 39 anos de prisão pela morte dos pais em 2002, Suzane von Ricthoffen, 33 anos, que está presa há 15, pediu à Justiça para migrar do regime semiaberto para o aberto. Na nova fase, ela poderá dormir fora da cadeia, desde que arrume emprego fixo. No pedido, que tramita sob sigilo, os defensores públicos que advogam para a presidiária argumentaram até que ela foi pedida em casamento, além de enumerar outras qualidades, como bom comportamento e pontualidade no trabalho de corte e costura que executa dentro do presídio de Tremembé. Em um documento anexado ao pedido, a diretora do presídio, Eliana Maria de Freitas, a quem Suzane chama de “mãe”, declara que a sua “filha” é uma presa de comportamento exemplar.

O pedido para Suzane ganhar a liberdade do regime aberto está no Ministério Público, em Taubaté, na mesa do promotor Paulo José de Palma, que atua junto à 2ª Vara de Execuções Penais de Taubaté. Considerado rigoroso em seus pareceres, ele já havia negado um pedido de progressão de regime a Suzane em 2009 porque um teste chamado Rorscharch, que revela traços importantes da personalidade, aplicado na detenta famosa, revelou que ela é dotada de “egocentrismo elevado” e “agressividade camuflada”, além de ser “manipuladora, insidiosa e narcisista”. No entanto, outro teste criminológico aferiu que ela, uma vez solta, não voltaria a cometer crime semelhante.


Fonte Veja

Que Coisa: Japoneses perdem esposas e encontram o amor em bonecas de silicone


 Senji Nakajima abraça boneca de silicone, enquanto dorme em um hotel romântico em Yachimata (Foto: Behrouz Mehri / AFP )
Quando o fogo da paixão se apagou definitivamente entre ele e sua esposa, Masayuki Ozaki tomou uma decisão curiosa para preencher seu vazio. Comprou uma boneca de silicone que se tornou – ele garante – o amor de sua vida.

Com tamanho natural e aparência muito realista, apesar do olhar perdido, Mayu divide sua cama na casa da família em Tóquio, onde também moram sua mulher e a filha adolescente do casal.

"Depois que a minha mulher deu à luz, deixamos de fazer amor e senti uma profunda solidão", contou à AFP este fisioterapeuta de 45 anos.

"Li um artigo em uma revista sobre o tema destas bonecas e fui ver uma exposição. Foi amor à primeira vista", suspira Ozaki, que leva Mayu para passear em cadeira de rodas, põe perucas nela, a veste e dá joias de presente.

"Quando minha filha entendeu que não era uma Barbie gigante, ficou com medo e achou nojento, mas agora já é suficientemente crescida para dividir a roupa com Mayu", explica. 

'É humana'

"As mulheres japonesas têm o coração duro", reclama, enquanto passeia com a boneca por uma praia. "São muito egoístas. Sejam quais forem meus problemas, Mayu, ela, sempre está aqui. Sou louco por ela e quero estar sempre com ela, que me enterrem com ela. Quero levá-la ao paraíso".

Assim como ele, muitos homens no Japão possuem este tipo de bonecas, chamadas "rabu doru" (boneca do amor), sobretudo viúvos e portadores de deficiência, e não as veem como meros objetos sexuais, mas como seres com alma.

"Meu coração bate a mil por hora quando volto para casa com Saori", garante Senji Nakajima, de 62 anos, enquanto vai fazer piquenique com sua companheira de silicone.

"Nunca me passaria pela cabeça enganá-la, nem com uma prostituta, porque para mim ela é humana", explica este empresário, casado e pai de dois filhos.

O fisioterapeuta Masayuki Ozaki toma banho ao lado de sua boneca Mayu (Foto: Behrouz Mehri / AFP )
Yoshitaka Hyodo, blogueiro de 43 anos, tem mais de dez dessas bonecas. Ele também tem uma namorada, de carne e osso, aparentemente bastante compreensiva. 

"Agora é mais para se comunicar em um nível emocional", afirma este homem, também fã de objetos militares, cercado de mulheres de plástico, às quais veste como soldados.