Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

quinta-feira, 29 de junho de 2017

CCJ aprova relatório da reforma trabalhista por 16 votos a 9; houve 1 abstenção


Foto: Agência Brasil
 A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) aprovou por volta das 23h20 desta quarta-feira (28) o relatório da reforma trabalhista produzido pelo líder do governo, o senador Romero Jucá (PMDB-RR). O texto contou com apoio de 16 senadores, nove votos contra e uma abstenção. Era necessária maioria simples para aprovação do projeto e os governistas previam apoio de 15 senadores. Agora, o texto segue para o plenário do Senado, a última etapa no Congresso antes da sanção presidencial. O relatório de Jucá pede a aprovação integral do projeto vindo da Câmara dos Deputados e rejeita a acusação de que trabalhadores perderão direitos com a mudança na legislação. Para o relator, o projeto de reforma trabalhista não viola preceitos constitucionais. "Verifica-se que o projeto de lei não suprime direitos dos trabalhadores", cita o texto aprovado pelos senadores. "A análise sistêmica (e despida de preconceitos) da proposição revela que ela fortalece os sindicatos brasileiros, confere maior autonomia (sem desproteção) aos trabalhadores, reduz os custos de transação gerados pelas normas trabalhistas e desburocratiza as relações laborais", cita o relatório de Jucá. Com a vitória na CCJ, o governo tenta recuperar o fôlego após a derrota do parecer governista na Comissão de Assuntos Sociais (CAS). A rejeição na comissão anterior pegou o governo de surpresa e houve atenção especial para a articulação dos senadores nesta sessão da CCJ. No plenário do Senado, para onde segue o texto, há possibilidade de o projeto tramitar em urgência, o que poderia acelerar a votação. O regime de urgência deve ser votado nesta quinta-feira (29) no plenário da Casa. por Fernando Nakagawa, Isabela Bonfim e Thiago Faria | Estadão Conteúdo

Joesley Batista é internado no Albert Einstein em São Paulo


Foto: Agência Senado
 O sócio da J&F, Joesley Batista, foi internado no hospital Albert Einstein, na Zona Sul de São Paulo (SP). Segundo informações do G1, a assessoria da unidade médica informou que o empresário solicitou privacidade. Questionada sobre o motivo do internamento, a assessoria do grupo JBS informou que ele deu entrada na noite da última terça-feira (27) com dores no nervo ciático. A holding informou ainda que não há previsão de alta. O irmão de Joesley, Wesley Batista, também sócio da J&F, chegou ao Brasil na manhã desta quarta (28). Ele estava em Nova York, nos Estados Unidos, e desembarcou no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, por volta das 6h. Ele não quis dar declarações sobre a viagem. A assessoria da J&F informou que Wesley mora e trabalha no Brasil e que viajou por alguns dias para resolver questões profissionais. De acordo com a empresa, foi a primeira viagem do empresário desde o vazamento da delação da JBS.