Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Ratinho revela que vai ordenar matar bandido que tentar assaltá-lo


Ratinho ordenou aos seus seguranças particulares a atirar “pra matar” em que quem tentar assaltá-lo.

O apresentador Ratinho decidiu fazer uma revelação em seu programa no SBT. O contratado da emissora de Silvio Santos disse que ordenou aos seus seguranças particulares a atirar “pra matar” em que quem tentar assaltá-lo.

“Eu autorizei o pessoal de segurança que trabalha pra mim, quando acontecer de novo, nego parar a moto e tentar com revólver, eles vão meter fogo. É pra matar! É pra matar!”, disse.

O apresentado reclamou do crescimento do número de roubos e furtos na cidade de São Paulo. Ratinho aproveitou e mandou um recado para Geraldo Alckmin: 

“Tá a maior roubalheira aqui em São Paulo. Ninguém aguenta mais os bandidos aqui em São Paulo. Governador, o senhor não nota, mas pequenos furtos, assaltantes…”.

Fonte: noticiasaominuto

ÚLTIMA HORA: EUA lançam dezenas de mísseis na Síria em ofensiva contra Assad



Em primeira incursão militar contra regime de Assad na guerra, Exército atinge local de onde afirma ter partido ataque químico que matou mais de 90 pessoas esta semana

WASHINGTON - Horas após o presidente Donald Trump admitir retaliar a Síria pelas recentes ações do regime de Bashar al-Assad, o Exército dos EUA fez sua primeira incursão militar contra o governo durante a guerra civil na madrugada de sexta-feira (horário sírio). Dezenas de mísseis foram lançados contra a base militar de onde teria partido o ataque químico que deixou ao menos 86 mortos na segunda-feira. Espera-se um pronunciamento de Trump sobre a ação após um briefing pelo secretário de Defesa, James Mattis.

Segundo altos funcionários, o Exército lançou entre 50 e 70 mísseis Tomahawk mirando um único destino — Ash Sha'irat, na província de Homs, de onde informações de Inteligência apontam que veio o ataque químico. Foram atingidos por volta de 3h45m a pista, aeronaves e depósitos de combustíveis, segundo altas fontes militares.

— O ataque foi feito sob os interesses de segurança nacional vitais dos EUA — afirmou o presidente durante um encontro com o homólogo chinês, Xi Jinping, em seu resort de Mar-a-Lago, na Flórida, onde apelou para que "as nações civilizadas busquem acabar com a carnificina e o derramamento de sangue na Síria".

Esta é a ação militar mais dura do governo Trump. O governo de Barack Obama havia ameaçado rebater Assad militarmente após outros episódios de ataques químicos atribuídos ao regime, mas nunca concretizou as declarações.

"A agressão americana atingiu alvos militares sírios", mostrou uma chamada da TV estatal síria durante a madrugada.

Horas antes, a Rússia advertiu os Estados Unidos que pode ter "consequências negativas" se lançar uma ação militar contra a Síria, após uma reunião do Conselho de Segurança da ONU.

— Se houver uma ação militar, toda a responsabilidade recairá sobre os que tiverem iniciado uma empreitada tão trágica e duvidosa — declarou o embaixador russo na ONU, Vladimir Safronkov, na saída da reunião.


CASA BRANCA QUER ASSAD FORA

Veículos da imprensa americana revelaram que Trump recebeu do Pentágono opções de ações, que incluem a inabilitação de aeronaves do regime através de mísseis — sem arriscar forças americanas.

— Acho que o que Assad fez é terrível. O que aconteceu nas Síria foi uma desgraça para a Humanidade — afirmou Trump, que insinuou uma saída do ditador sírio. — Assad está ali, e acho que ele comanda as coisas, então algo deveria acontecer.

Seu secretário de Estado, Rex Tillerson, chegara a aceitar a permanência de Assad antes do ataque químico, mas mudou de rumo e disse que o país prevê uma "resposta apropriada às violações de todas as resoluções prévias da ONU, das normas internacionais".

— O papel de Assad no futuro é incerto os atos que cometeu. Pareceria que ele não deve desempenhar qualquer papel para governar o povo sírio — afirmou Tillerson ao encontrar na Flórida o presidente chinês, Xi Jinping, que se reúne com Trump. — Apoiamos um processo político que conduza à saída de Assad.

Fonte: oglobo.globo