Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Câmara dos Deputados aprova projeto da reforma trabalhista


Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil
 A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (26) o projeto de lei 6787/16, mais conhecido como reforma trabalhista. A bancada de oposição tentou impedir a votação com sucessivos requerimentos, provocando um clima tenso no plenário. A matéria, considerada impopular, acabou gerando resistência de entidades representativas dos trabalhadores, que consideram que o texto retira direitos trabalhistas e coloca a conta da crise econômica apenas nas costas dos empregados, e não do empresariado. Para próxima sexta-feira (28), uma greve geral foi convocada por centrais sindicais para pressionar o governo a flexibilizar as reformas trabalhista e da Previdência. O projeto altera pontos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e estabelece que acordos coletivos negociados por patrões e empregados prevalecem sobre a lei. O relator da proposta, Rogério Marinho (PSDB-RN), propôs mudanças em relação ao texto original. Entre os principais pontos do parecer dele estão o negociado sobre o legislado (sobre as negociações entre patrão e empregado, acordos coletivos etc); o fim da contribuição sindical obrigatória; trabalho intermitente (possibilidade da prestação de serviços de forma descontínua e recebimento apenas pelas horas trabalhadas); trabalho terceirizado; teletrabalho (desempenho de funções à distância); multas administrativas; ativismo judicial e demissão consensual. por Guiljherme Ferreira / Bruno Luiz

Palocci contrata advogado para negociar delação premiada

O ex-ministro Antonio Palocci decidiu contratar os serviços do advogado Adriano Bretas, de Curitiba, que já atuou em negociações de acordo de delação premiada de alvos da Operação Lava Jato. A mudança de defensor tem como objetivo negociar a colaboração do petista.

Preso desde setembro de 2016 na Operação Omertà – desdobramento da Lava Jato -, o ex-ministro vinha sendo defendido pelo criminalista José Roberto Batochio. Veterano da advocacia, Batochio é conhecido por sua posição contrária à delação premiada. Não há delatores entre seus clientes. A informação sobre a mudança de advogado foi antecipada ontem pelo site O Antagonista.

(Agência Senado)