Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788

sábado, 5 de maio de 2018

Crianças desabrigadas de prédio que desabou em SP dormem no chão próximo ao local da tragédia

Crianças que moravam no Edifício Wilton Paes de Almeida, que pegou fogo e desabou em 1º de maio no Centro de São Paulo, e ficaram desabrigadas, passaram a noite dormindo na calçada do Largo do Paissandu, próximo ao local da tragédia.

Na manhã deste sábado (5), enquanto o Corpo de Bombeiros permanecia fazendo as buscas por 5 moradores desaparecidos, as crianças sobreviventes de famílias que residiam no prédio dormiam no chão do Largo do Paissandu.

Mãe da bebê Joana Maria, de oito meses, a auxiliar de limpeza Lúcia Luzia Belo, de 26 anos, conta que o chão duro e o frio incomodam. Ela morava no segundo andar do prédio que desabou e agora permanece ali perto do edifício, junto com outros moradores desabrigados.

Além de Joana, seus irmãos Murilo, de 4 anos, William, de 5 anos, Henrique, de 10 anos, Eduardo, de 12 anos, e Laiane, de 7 anos, dormiram na mesma barraca sob uma árvore e em frente à Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos.

A mãe conta que pede dinheiro aos pedestres para comprar comida porque as doações não chegam.

O banho é improvisado na calçada e o uso de banheiro depende da boa vontade de comerciantes próximos.

A mãe das crianças conta que ainda não tem definição do local para onde deve ir e pensa em provavelmente seguir para outra invasão.

Grupo Globo