Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788

quarta-feira, 30 de maio de 2018

Abastecer o carro com álcool de uso doméstico dá certo? Especialista responde

greve dos caminhoneiros deixou muitos postos sem combustível. Com dificuldades no abastecimento, motoristas estão optando por uma prática perigosa: usar o álcool vendido em farmácias no tanque do carro.

Na internet não é difícil encontrar vídeos que mostram pessoas utilizando álcool em seus carros.

Após colocar álcool ou qualquer outro produto não adequado, o carro pode até funcionar; mas os danos logo aparecem. Quem sente primeiro são peças de plástico ou de borracha do motor, que são muitas. Depois, o prejuízo só aumenta.

No caso do álcool doméstico, o uso não é indicado pela alta concentração de água, que pode chegar à 50% do produto. Bem diferente do etanol vendido nos postos de combustíveis, que tem 7% de água. Esse excesso pode causar danos irreversíveis, como o calço hidráulico, que trava o motor e pode danificar peças essenciais e caras, como os pistões.

No desespero, teve gente que usou até bebidas alcoólicas, o não é uma boa ideia. Além da alta concentração de água, os açúcares das bebidas podem criar uma crosta nas peças, impedindo o funcionamento normal do veículo. Com informações do Tribuna do Ceará.

87% dos brasileiros apoiam greve dos caminhoneiros, diz Datafolha

Uma pesquisa do Datafolha divulgada nesta quarta-feira (30), mostra que 87% dos brasileiros apoiam a paralisação dos caminhoneiros, mas o mesmo percentual rejeita cortes no orçamento e aumento de imposto para atender às reivindicações da categoria.

O levantamento com 1,5 mil pessoas aponta que apenas 10% são contra a paralisação dos caminhoneiros, 2% são indiferentes e 1% não soube opinar.

Sobre a continuidade da paralisação, porém, o apoio diminui: 56% acham que ela deve continuar enquanto 42% defendem o seu fim.

A pesquisa telefônica foi feita na terça-feira (29), dia em que os bloqueios diminuíram e os caminhões começaram a circular com mais frequência nas estradas do país. A margem de erro do levantamento é de três pontos para mais ou para menos.

Contra aumento de impostos

Embora seja solidário às reivindicações dos caminhoneiros, 87% dos entrevistados não concorda com as medidas encontradas pelo governo para atender os caminhoneiros. Apenas 10% aprovaram o aumento de impostos e o corte dos gastos federais, dentro de uma paleta bastante variada de opões.

As medidas anunciadas pelo governo para acabar com a greve são: desconto de R$ 0,46 no litro do diesel por 2 meses; estabelecimento de uma tabela de preços mínimos por km rodado no transporte rodoviário de cargas; isenção de pedágio para eixos suspensos e reserva de 30% dos fretes da Conab destinado a caminhoneiros autônomos.

O desconto no diesel vai custar R$ 9,5 bilhões até o fim do ano. Uma parte desse valor vai ser compensada por corte de despesas e por uma reserva do orçamento. O governo também cogitou aumentar tributos, mas um dia depois voltou atrás.

Negociação

A avaliação sobre a condução da negociação entre o governo Michel Temer e os caminhoneiros também foi alvo da sondagem: 77% desaprovaram, 16% acham que foi regular, 6% aprovaram e 1% não souberam avaliar.

Para 96%, Temer demorou para negociar, contra 3% que consideram que o presidente o fez no momento correto.

Com informações do G1.