Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Anulada pena de 80 anos de Alemão, mentor do assalto ao Banco Central


A Justiça Federal anulou a condenação de 80 anos de Antônio Jussivan Alves, o Alemão, mentor do roubo ao Banco Central em Fortaleza em 2005, quando foram roubados mais de R$ 160 milhões. De acordo com a advogada de Alemão, Erbênia Rodrigues, um pedido de progressão de pena será solicitado ainda nesta semana. Se o pedido for atendido, o autor do maior assalto do país deixa o regime fechado e passa cumprir pena em regime semiaberto.
A decisão é do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, no Recife.
A anulação foi referente à pena de lavagem de dinheiro praticada por organização criminosa, tipificada em lei em 2013, sete anos após o crime. "Todos que foram condenados por esse crime antes de 2013 foram beneficiados com a anulação da pena, conforme entendimento do Supremo", afirma a advogada.

Além da condenação por lavagem de dinheiro, Alemão foi condenado a oito anos de prisão pelo furto ao Banco Central, a mais três anos por formação de quadrilha, a 17 anos e seis meses por sequestro, a cinco por uso de documentos falsos e a seis anos e oito meses por um outro assalto a banco, somando mais de 40 anos de sentença.

"Como foi anulada a maior pena, e ele já cumpriu nove anos de prisão em regime fechado, vamos pedir nesta semana – eu já tenho todos os documentos preparados – a progressão do Alemão, já que ele tem bom comportamento no cárcere, um dos requisitos exigidos", diz Erbênia.

Embora as condenações somem 40 anos, o argumento da advogada é que Alemão completa neste ano 10 anos de prisão, um terço da pena máxima determinada pela legislação brasileira, de 30 anos.
Mentor do furto ao Banco Central

Antônio Jussivan Alves dos Santos, conhecido como "Alemão", é apontado como um dos mentores do roubo ao Banco Central, ocorrido na madrugada de 5 para 6 de agosto de 2005 em Fortaleza. Segundo a Polícia Federal, foram levados do cofre R$ 164,7 milhões (mais de três toneladas em notas de R$ 50).

Alemão foi sentenciado a mais de 100 anos de prisão por diversos crimes, entre eles, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. Em 2008, ele foi sentenciado a 49 anos e dois meses em 1º grau e teve pena reformada pelo TRF-5 para 35 anos e 10 meses de prisão. Em 2015, foi condenado a mais 80 anos, dez meses e 20 dias por lavagem do dinheiro.
Fonte: G1

Violência armada no Ceará deixou 429 pessoas assassinadas em apenas 38 dias de 2017


O Ceará começou 2017 com números trágicos e de guerra na Segurança Pública. Entre os dias 1º de janeiro e 7 de fevereiro (38 dias) , nada menos, que 429 pessoas foram assassinadas em todo o estado, uma média de 11,2 homicídios/dia.
 Na manhã desta quarta-feira (8), o novo secretário da Segurança, delegado federal André Costa, participa pela primeira vez da reunião seguida de coletiva de Imprensa em que revelará a taxa de homicídios do mês passado.
No mês de janeiro, ao menos, 347 pessoas foram mortas no Estado do Ceará, sendo 120 somente em Fortaleza, outras 89 na Região Metropolitana (RMF), outras 43 no Interior Norte e mais 95 no Interior Sul. O que representou uma média de 11 homicídios/dia.
Já neste mês de fevereiro, entre os dias 1º e 7, foram contabilizados, ao menos, 82 Crimes Violentos, Letais e Intencionais (CVLIs), que incluem os homicídios, latrocínios (roubos seguidos de morte) e os casos de lesão corporal que resultam em óbito.
Em sete dias de fevereiro, foram registrados 25 homicídios e latrocínios em Fortaleza, 21 nos Municípios que compõem a RMF, mais 16 no Interior Norte e 20 no Interior Sul.
Latrocínios e linchamentos
Entre a enxurrada de mortes violentas no Ceará, um fato tem se tornado, cada dia, mais preocupante: o aumento dos casos de latrocínio, isto é, cidadãos que são mortos em meio a assaltos nas ruas. No mês passado, 14 crimes do tipo ocorreram no estado, numa média de um caso à cada 48 horas (dois dias). Neste mês de fevereiro que mal começou, já foram registrados dois casos na Região Metropolitana.
Também preocupa as autoridades os casos de linchamentos, bandidos que estão sendo mortos nas ruas pela própria população, cansada de ser assaltada. Somente em sete dias de fevereiro, já são quatro casos.
No fim de semana, um bandido foi espancado até a morte por moradores do bairro São João do Tauape, em Fortaleza. Já na cidade de Bela Cruz (a 220Km de Fortaleza), dois homens que haviam praticado um assalto foram perseguidos e mortos pela população na última segunda-feira (6). E na noite desta terça-feira (7), o mesmo aconteceu na cidade de Pacajus.
Fonte: Ceará News 7