Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

10 SINTOMAS QUE PODEM INDICAR O MAL DE ALZHEIMER NA FASE INICIAL!


O mal de Alzheimer se desenvolve lentamente e, por isso, muitas famílias acabam não sabendo se o problema de esquecimento é resultado da doença ou é apenas a velhice.

Deborah Halpern, pertencente a uma entidade de cuidadores em Kensington, Maryland, nos Estados Unidos, faz a seguinte comparação:

"Uma pessoa bastante idosa pode esquecer frequentemente onde deixou as chaves.

Mas alguém que sofre com Alzheimer, quando encontra o que está perdido, não faz ideia do que se trata".

Quer que a gente esclareça melhor?

Veja os sinais de alerta para esta terrível doença:

1. Perda de memória: esquecer ocasionalmente nomes é normal, mas quem tem Alzheimer esquece cada vez mais coisas ao longo do tempo.

2. Dificuldade em realizar tarefas do cotidiano.

3. Problemas com a linguagem: o vocabulário fica cada vez mais curto e difícil de compreender.

4. Sensação de que está perdido e sozinho, mesmo em meio à família.

5. Comportamentos estranhos, como sair de casa com roupas íntimas.

6. Passividade: quem sofre de Alzheimer tende a esquecer as coisas que gostava de fazer e acaba ficando muito tempo sentado em frente à televisão.

7. Problemas de raciocínio para executar simples tarefas, como usar um cartão de crédito ou preencher uma folha de cheque.

8. Perda do senso, como colocar as chaves no congelador.

9. Mudança repentina de humor, indo da calma à fúria sem nenhum motivo.

10. Tristeza cada vez maior.

Quer saber como podemos prevenir esse mal?

A melhor coisa a se fazer é estimular a mente.

Jogos como xadrez e palavras-cruzadas ajudam
Ah, se você não sabe, há uma estreita relação entre o cérebro e a saúde do coração.

Ou seja, à medida que se aumenta o risco de doença cardiovascular, também se aumenta o risco de Alzheimer.

Portanto, tudo o que diminui o risco de problemas cardíacos, também previne a doença do esquecimento.

Veja o que você deve evitar para ficar mais protegido:

1. Fumo: os fumantes têm o dobro de chances de desenvolver Alzheimer.

2. Colesterol ruim alto, que dificulta a circulação em todo o corpo.

3. Pressão arterial elevada

4. Obesidade

5. Diabetes

6. Gordura de origem animal em excesso

7. Bebida alcoólica em excesso

Há algumas medidas que podemos tomar para reforçar a proteção contra a doença:

- Exercício físico

- Dieta baseada em frutas e legumes

- Consumo adequado de antioxidantes como ômega 3 e vitaminas C e E.

Esta dica não substitui um especialista. Consulte sempre seu médico.

Fonte: curapelanatureza

Salário mínimo em janeiro deveria ser de R$ 3.811,29, segundo Dieese



Em janeiro, o salário mínimo ideal para sustentar uma família de quatro pessoas deveria ser de R$ 3.811,29. O valor é 4,07 vezes o salário em vigor no mês passado, de R$ 937. A estimativa é do Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos) e foi divulgada nesta segunda-feira (6).

O departamento divulga mensalmente uma estimativa de quanto deveria ser o salário mínimo para atender as necessidades básicas do trabalhador e de sua família, como estabelecido na Constituição: moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e Previdência Social.

Esse valor é calculado com base na cesta básica mais cara entre as 27 capitais. Em janeiro, o maior valor foi registrado em Porto Alegre (R$ 453,67).

A diferença entre o salário mínimo real e o necessário caiu de dezembro para janeiro. No mês anterior, o ideal era que ele fosse de R$ 3.856,23 (4,38 vezes o salário mínimo).

Mínimo de R$ 937

Desde o dia 1º de janeiro entrou em vigor o novo salário mínimo, de R$ 937, que valerá durante 2017. O aumento de 6,48% sobre os R$ 880 de mínimo em 2016 foi feito com base na inflação, segundo o INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor).

Segundo o Dieese, 2017 é o primeiro ano em que o salário mínimo não teve aumento real (acima da inflação) desde 2003, início da série registrada pelo departamento.

Fonte: Uol