Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788

terça-feira, 31 de julho de 2018

Reajuste na conta de água gera insatisfação no Crato


Aumento na conta de água pesa no bolso dos consumidores cratenses que pagam até 200% a mais pelo serviço (Foto: Reprodução)

Cratenses pagam mais caro pelo consumo de água desde 1º de janeiro, após reajuste nas tarifas de serviços da Sociedade Anônima de Água e Esgoto do Crato (Saaec). Consumidores, entretanto, reclamam que o aumento atingiu percentual de 200% desde então. Segundo a companhia que gerencia o abastecimento de água no Município, além de pedir a revisão da conta de água, os cratenses poderão optar pela instalação de hidrômetros.

O reajuste foi concedido pela segunda vez em menos de dois anos. O valor foi elevado em 55% e será concedido em duas etapas: os consumidores passaram a pagar 40% a mais desde junho e, no mesmo mês em 2019, serão acrescidos 15%.

“Eu não consigo entender esse reajuste tão alto e achei um absurdo. Está muito além da inflação. Passei a pagar três vezes mais do que eu pagava antes e, pelo que estou vendo, esse reajuste não foi somente de 40%”, reclama a vendedora Salete Mateus, moradora do Bairro Seminário, cujo valor da conta de água saltou de R$ 15 para R$ 45 este mês.

Outros moradores se queixam que além do aumento, o serviço de abastecimento não é feito a contento. Residente no bairro Vila Alta, Sâmia Martins detalha que a localidade sofre com constantes cortes no fornecimento e má qualidade da água. “Já cansamos de ir até a Prefeitura e a Câmara reclamar da cor da água, preta e barrenta, que sai de nossas torneiras aqui no bairro. E agora vem esse aumento?”, questiona.

As características dos imóveis determinam a precificação do fornecimento de água em Crato, conforme explica o diretor-técnico Rafael Novaes. O valor depende da quantidade de moradores, área construída e números de pontos de água, como torneiras e sanitários. “Todas essas variáveis são colocadas em uma tabela onde constam valores para cada item. É daí que sai o valor da tarifa”, explica o gestor.

Preço justo

Uma das formas planejadas pela administração cratense para tornar o consumo mais próximo de um valor justo consiste na instalação de hidrômetros. A administração pretende equipar 25 mil imóveis com hidrômetros, nas zonas urbana e rural, no prazo máximo de cinco anos.

O aparelho vai medir quanto cada habitação gasta com água. Além de definir o valor da conta com base no real consumo da água, a gestão municipal tem o objetivo de dar uma racionalidade maior à utilização do líquido.

“Quando a gente tem uma conta de energia alta em um mês, a gente toma medidas para racionalizar a conta: começa a desligar mais uma lâmpada, a ter um cuidado maior com a quantidade de horas que um aparelho está ligado. Então, o hidrômetro ajuda as pessoas a ter essa preocupação. E ele é justíssimo porque eu pago efetivamente pelo que eu consumo”, analisa o assessor Cristiano Cardoso.

Fonte: Jornal do Cariri

Capitão da PM é morto durante tentativa de assalto em Marechal Hermes


Capitão da PM é morto durante assalto na Zona Norte (Foto: Reprodução)
Capitão da PM é morto durante assalto na Zona Norte

Um capitão da Polícia Militar do Rio de Janeiro foi morto neste domingo (29) durante uma tentativa de assalto em Marechal Hermes, na Zona Norte da cidade. O PM é o 63º policial da corporação assassinado este ano no estado.
Há 15 anos na PM, Diogo Lins Canito, de 34 anos, chegou a ser socorrido para o Hospital Estadual Carlos Chagas, no mesmo bairro, mas não resistiu aos ferimentos. O assalto aconteceu na Rua Vidal Ramos e, de acordo com a corporação, o oficial foi abordado por bandidos que estavam num carro quando chegava a uma residência no bairro.
Os criminosos conseguiram fugir levando a arma do oficial e objetos pessoais da esposa, que estava com ele. Canito trabalhava no 39ª BPM (Belford Roxo), na Baixada Fluminense. Em nota, a PM lamentou a morte do capitão e informou que o oficial era casado e deixa quatro filhos.