Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788

terça-feira, 24 de julho de 2018

Cearense constrói cacimba dentro do quarto e compartilha água com a comunidade

O Jornal Jangadeiro mostrou como o ser humano é capaz de se adaptar às necessidades, principalmente quanto à escassez de água. Um morador da zona rural de Caucaia, a 20 quilômetros da sede, teve uma ideia para fugir da seca.

Rafael Silva de Abreu resolveu construir uma cacimba dentro do quarto. “Não tinha outro canto para cavar (…) Agora tem fartura”, comemora o cearense. Na comunidade onde mora, outras famílias compartilham da água da cacimba. “Eu não vendo, precisou pode pegar. Quem cavou fui eu, mas a água quem tá dando é Deus”, agradece.

A produção do Jornal Jangadeiro, da TV Jangadeiro/SBT, questionou a 10ª Região Militar, já que é o Exército que administra a Operação Pipa em localidades rurais, para saber o motivo de o abastecimento deixar de ser realizado na comunidade. Foi enviado um e-mail, mas até a veiculação da reportagem não houve resposta. Com informações do Tribuna do Ceará.

Financiamento aos partidos nas eleições de 2018 vai custar R$ 1,71 bilhão aos cofres públicos



Vários partidos já definiram como vão repartir entre seus candidatos o dinheiro do Fundo Especial de Financiamento de Campanha. Neste ano, R$ 1,71 bilhões sairão dos cofres públicos para financiar as campanhas eleitorais. O MDB, que vai receber a maior fatia, R$ 234 milhões, anunciou no início do mês que não vai dar recursos para as campanhas à Presidência da República e governos estaduais.

O PP vai garantir R$ 2 milhões para cada candidato à reeleição como deputado federal, e vai dar bônus de 2,5% para cada vez que estes deputados votaram conforme a orientação do partido na Câmara. Segundo a resolução, a estratégia é valorizar a fidelidade partidária. A professora de Ciência Política da Universidade Estadual de São Paulo, Unesp, avalia que quando o Congresso estabeleceu as regras gerais para divisão do dinheiro entre os partidos, já havia a tendência de valorizar os atuais parlamentares.

O PSol criou faixas de prioridades entre as regiões do país. A campanha para o Governo do Rio de Janeiro e para o Senado pelo Pará têm prioridade 1 e por isso vão receber mais recursos. O partido definiu que os diretórios estaduais devem estabelecer regras para valorizar candidaturas de negros, indígenas e LGBTs.

O Democratas deve destinar o piso de R$ 2,5 milhões para cada candidato a governador e a direção nacional fica livre para incrementar o valor de acordo com o desempenho do candidato ao longo da campanha. O PSB só vai direcionar dinheiro para os candidatos a deputado estadual que estiverem apoiando integralmente candidatos do partido à deputado federal.

Adriano Oliveira, professor de Ciência Política da Universidade Federal de Pernambuco, diz que o aumento do poder das cúpulas partidárias é um transtorno trazido pelo financiamento público. Todos os partidos são obrigados a destinar no mínimo 30% do Fundo para a campanha de mulheres. Mas, se o percentual de mulheres for maior do que isso, a parcela deve ser proporcional. Ou seja, se são 40% de candidatas, elas receberão, 40% do Fundo. O Democratas e o PP, por exemplo, pedem que os candidatos indiquem uma lista de mulheres para quem eles querem destinar nominalmente o recurso extra, que será inicialmente reservado para os homens.

Com Agência Brasil