Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Desaparecida há 5 dias, travesti Sophia Castro é encontrada morta aos 21 anos



A travesti Sophia Castro, de 21 anos, foi encontrada e identificada por amigos no Instituto Médico Legal nessa quarta-feira (03). Ela estava desaparecida desde o último dia 28 em Contagem, região metropolitana de Belo Horizonte.

De acordo com a Policia Civil, Sophia foi assassinada no sábado (29) em um apartamento do bairro Eldorado. O corpo, que inicialmente não foi identificado, apresentava sinais de agressão e havia sinais de luta corporal no imóvel. 

H.J.C., de 42 anos, foi preso no local e levado para o Centro de Remanejamento do Sistema Prisional (Ceresp) em Contagem. Segundo os policias, um amigo do suspeito informou o homicídio para a Polícia Militar. H. ligou para ele pedindo ajuda, pois tinha matado uma pessoa e estava pensando em se matar. 

Em depoimento, ele disse que marcou um programa com Sophia no sábado (29) e depois de usarem cocaína acabaram se desentendendo. Ele alegou que ela havia tentado o agredir e que ele revidou, usando um martelo e apertando o pescoço da vítima até que ela desmaiasse. 

Embora os amigos tenham reconhecido o corpo de Sophia, ele só pode ser liberado pela família, que mora em Goiânia. A mãe da vítima já foi comunicada e é aguardada em Belo Horizonte para os procedimentos de liberação do corpo. 

A vice-presidente do Centro de Luta pela Livre Orientação Sexual (Cellos-MG) e membro da Rede Trans, Anyky Lima afirmou que conheceu Sophia quando ela tinha 19 anos e foi morar em sua casa por um ano. De acordo com Anyky, a jovem tinha o sonho de ter a sua casa, era bastante calada, mantinha o contato com a mãe e, pela falta de oportunidade no mercado de trabalho, estava na prostituição. 

Ela destaca que a polícia deve ter empenho nas investigações, não só sobre a morte de Sophia, mas de vários casos por transfobia, como o da Mirella de Carlo, em 19 de fevereiro, no Carlos Prates, em BH. Anyky afirma que há sempre uma tentativa de culpabilizar a vítima que foi assassinada e de justificar os crimes de transfobia.

"A maioria da comunidade culpa a travesti pela própria morte e reproduz o que a sociedade acha de nós. Diz que morreu porque roubava ou tava devendo ao traficante. Ou seja, todas as pessoas estão dispostas a tacar pedra na travesti. Sabemos que ela recebeu várias marteladas, mas o homem diz que ela o agrediu com o martelo. Ele pode dizer o que quiser, mas a diferença é que ela não pode mais se defender".
 

afirma ao NLUCON.

STF decide que governadores podem ser processados sem aval das assembleias


Decisão poderá ser aplicada nas investigações da Operação Lava Jato no Superior Tribunal de Justiça.



O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu hoje (4) derrubar normas estaduais que impedem governadores de responderem a ações penais sem autorização das assembleias legislativas. A decisão poderá ser aplicada nas investigações da Operação Lava Jato no Superior Tribunal de Justiça (STJ), tribunal competente para julgar governadores criminalmente.

No julgamento, os ministros entenderam que as normas das constituições do Acre, de Mato Grosso e do Piauí são inconstitucionais por condicionarem a abertura de ação penal no STJ a decisões políticas das respectivas assembleias legislativas, geralmente, alinhadas politicamente com o governador.

A Corte também decidiu que o afastamento automático de governadores após abertura de ação penal não pode ser aplicado. O entendimento foi baseado no julgamento em que a Corte definiu ontem (4) que o STJ não precisa de uma decisão prévia favorável da Assembleia Legislativa de Minas Gerais para abrir ação penal contra o governador do estado, Fernando Pimentel, investigado pela Operação Acrônimo, da Polícia Federal.

A decisão permite a livre investigação de nove governadores citados nas delações de ex-executivos da empreiteira Odebrecht. Embora algumas normas locais não tenham o impedimento, a alegação de decisão prévia dos deputados estaduais poderia ser levantada na Justiça.

Fonte: Agência Brasil