Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

sábado, 20 de maio de 2017

Especialista diz que câncer de Marcelo Rezende tem 1% de chance de cura


"É uma situação muito crítica. A cura realmente passaria por uma espécie de milagre”, afirmou o médico que é ex-presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia.

O apresentador e jornalista Marcelo Rezende está passando por uma fase difícil em sua vida com a descoberta de um câncer no figado e pâncreas.

O médico especialista Ney Cavalcanti de Albuquerque comentou sobre a doença do apresentador na Rádio Jornal, de Pernambuco, e revelou que ele tem apenas 1% de chance de se curar.

“É uma situação muito crítica. A cura realmente passaria por uma espécie de milagre”, afirmou o médico que é ex-presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia.

Dr. Ney ainda disse que esse tipo de câncer é um dos mais difíceis de lidar. “É um câncer de mau prognóstico. Responde mal a uma cirurgia, radioterapia e quimioterapia. Tomara que ele caia nesse pequeno percentual”, afirmou.


Fonte: IG

Sintoma de chikungunya em bebês é similar a queimaduras de 1º e 2º graus


Bolhas em bebês são causadas pela chikungunya (Foto: Reprodução/TV Globo)
Bolhas em bebês são causadas pela chikungunya (Foto: Reprodução/TV Globo)

Bolhas similares às de queimaduras de 1º e 2º graus, bem como dor de cabeça, ao redor dos olhos (retro-orbitária), mialgias e artralgias (dor muscular e dor articular) que se manifestam por choro persistente, fraqueza e irritabilidade - geralmente com ausência de manifestações respiratórias - são sintomas de chikungunya em crianças, especialmente em recém-nascidos.

Os sintomas, que podem ser confundidos com outros quadros infecciosos febris, próprios da faixa etária, podem resultar em quadros mais graves se não houver diagnóstico imediato. Os especialistas alertam que é preciso ficar atento à febre alta e irritabilidade. Nos bebês, o agravamento, em geral, é súbito, diferente do que ocorre nos adultos, quando os sinais de alarme são facilmente detectados.

“Nos bebês também é observado maior ocorrência de comprometimento neurológico devido a infecção, tais como meningoencefalites e convulsões, além de comprometimento cardíaco” explica o pediatra infectologista José Nivon da Silva, dos hospitais Albert Sabin e São José, de Fortaleza.

As infecções, segundo ele, decorrem pelo rompimento das bolhas que, ao liberar o líquido que se forma dentro das vesículas, provoca desidratação e deixa a região desnuda e vulnerável a infecções. “Nas crianças pequenas esse quadro pode progredir para uma sepse bacteriana que, se não tratada adequadamente, inclusive com antibióticos, pode resultar em morte. Apesar de viral, a chikungunya em bebês requer a utilização de antibióticos e esse tratamento, muitas vezes, precisa ser feito em uma Unidade de Tratamento Intensiva (UTI), em virtude da intensidade dos sintomas”, explica o pediatra.


Leia a matéria completa AQUI