Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Julho:: mês teve maior número de mortes por intervenção policial desde 2013



Numa comparação com o mesmo período de 2015, quando houve sete ocorrências, o crescimento nas intervenções foi de 114%. Por não serem consideradas intencionais, essas mortes não entram para as estatísticas de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs), que incluem homicídio doloso, lesão corporal seguida de morte e latrocínio, o roubo seguido de morte.
Os homicídios por intervenção também apresentam uma evolução ascendente se comparados os registros anuais. Entre 2013 e 2015, as mortes saltaram de 41 para 86 casos. De janeiro a julho deste ano, com relação a 2015, os números subiram de 43 para 54, uma alta de 26%.
Dentre as ocorrências está o caso de Israel da Silva Lourenço, 23, morto após um confronto com a Polícia Militar, que impediu a realização de um “baile de favela”, no Pirambu, no dia 31. Conhecido como Papai Zoião, ele respondia por roubo e homicídio e teria atirado contra uma viatura e trocado tiros com PMS.
Motivação
Na avaliação do secretário-adjunto da SSPDS, coronel Lauro Prado, os ataques a policiais militares e civis, também ocorridos em julho, tornaram os enfrentamentos mais constantes e teriam motivado “reações mais rápidas dos agentes”. Dos 26 atentados efetuados, 10 miraram diretamente delegacias, viaturas e os próprios policiais. Três militares ficaram feridos.
“O policial fica mais suscetível a reagir de maneira mais rápida, até porque está sob pressão. E em situações em que teria mais paciência para resolver, acaba reagindo de maneira mais rápida. Com o iminente perigo, pela ameaça que se apresenta, o tempo de resposta dele diminui”, diz.
O coronel acredita que os chamados “salve” (mensagens enviadas por criminosos a comparsas de facção), que teriam partido de dentro dos presídios do Estado, estimularam ataques mais audaciosas, bem como o aumento das abordagens por policiais. “Eles investiram no enfrentamento”, afirma, destacando que o poder de fogo dos criminosos está cada vez maior, o que também pode ter motivado a elevação anual dos casos.
Prado destacou que ocorrências de intervenção são acompanhadas pela cúpula da SSPDS e passam por investigação preliminar na Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário (CGD) para coibir excessos. “A arma do policial é defesa. Não deve ser usada para atacar”, orienta.
Por Thiago Paiva - O POVO

Ordem de prisão contra juíza por venda de sentenças


20-3A juíza federal Maria Cristina de Luca Barongeno, da 23ª Vara Cível de São Paulo, foi condenada a seis anos e oito meses de prisão e multa, além da perda do cargo, sob a acusação de corrupção. A ação tramita sob sigilo no Tribunal Regional Federal da 3ª Região (SP/MS) e cabe recurso da decisão. O relator é o desembargador Peixoto Júnior. Foi estabelecido o regime semi-aberto para início do cumprimento da pena. Segundo a denúncia, a juíza agia em cumplicidade com advogados ao direcionar ações para a sua vara e proferir sentenças que favoreciam empresas com dívidas milionárias junto à Previdência Social e ao fisco.
O advogado Joaquim Barongeno, pai da magistrada, prestou serviços à Friboi, uma das supostas beneficiadas pelo esquema. Em julgamento a portas fechadas em junho, o Órgão Especial do TRF-3 – colegiado do tribunal responsável por casos envolvendo juízes federais – entendeu que ficou comprovado o recebimento, pela juíza, de um veículo de um dos advogados.////fonte: camocimimparcial.