Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788

terça-feira, 5 de junho de 2018

Jovem de 19 anos é decapitada por facção criminosa rival; veja vídeo



Ela teria sido julgada pelo ‘tribunal do crime’ por ter envolvimento com facção de Mato Grosso.  
Ao todo, quatro indivíduos assumiram o envolvimento na morte da jovem Lailla Cristine de Arruda, de 19 anos, encontrada decapitada na tarde desta sexta-feira (1º) em um canavial próximo ao rio Confusão, na zona rural de Sonora, município do Mato Grosso do Sul.
Lailla foi vista pela última vez na quinta-feira (31), ela não sabia que estava indo para a morte quando entrou no veículo VW Gol de cor preta conduzido por Rodrigo França, de 21 anos e que tinha como passageiros Alexandro Silva dos Santos, de 24 anos e dois adolescentes de 15 e 17 anos.
Os autores levaram à vítima até o canavial, onde ela foi arrancada do carro e colada de joelhos, em seguida sem dó nem piedade, o adolescente de 17 anos desferiu vários golpes de facão em seu pescoço até decapitá-la.
Os autores foram presos em flagrante na noite desta sexta-feira pela Polícia Civil de Sonora e durante o interrogatório, admitiram que o motivo do crime seria devido a rivalidade das facções criminosas, já que Lailla possuía contato com membros de outra facção criminosa do estado de Mato Grosso.
Lailla era natural de Rondonópolis (214 km de Cuiabá) mas estava residindo em Sonora, onde trabalhava como garota de programa. Os policiais descobriram que antes do crime, a jovem já vinha sofrendo ameaças.
Todos os envolvidos serão indiciado por homicídio duplamente qualificado (por motivo torpe e recurso que dificultou ou impossibilitou a defesa da vítima).

Vídeo

Está circulado nas redes sociais um vídeo de 42 segundos com diálogo entre os executores e a jovem Lailla Cristine de Arruda, de 19 anos, decapitada na semana passada em Sonora.
No início do vídeo aparece a jovem, de joelhos e com as mãos amarradas nas costas, falando que estava com integrantes de uma facção e avisando que outra denominação não se criava em Sonora.
Pouco tempo depois aparecem imagens de Lailla decapitada, ao lado de uma plantação de cana, a poucos quilometros da cidade. Com a jovem morta, os executores enfatizam que aquilo é o que acontece com quem bate de frente, em outras palavras.
As imagens são fortes e a reportagem optou em cortar parte do vídeo. O delegado de Sonora, Francis Flávio Araújo Freire, informou que já tinha conhecimento do vídeo e afirmou que todos os executores estão presos.




24 Horas News 

Polícia identifica crianças que morreram em incêndio. Pais caem em contradição ao prestar depoimento



A Polícia Civil e o Conselho Tutelar da cidade de Itaitinga, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) já identificou as três crianças que morreram carbonizadas na madrugada desta segunda-feira durante um incêndio na residência onde a família morava. Os pais das crianças já foram também localizados e estão sendo ouvidos em depoimento.

O incêndio aconteceu por volta de 2h50 em uma residência localizada na Rua 7 do bairro Barrocão, em Itaitinga. Segundo a Polícia, as três crianças que morreram queimadas no sinistro eram: Maria Eloá, de 2 anos; Antônio Juan, de 5 anos; e Maria estela, de 6 anos, irmãos.

Segundo o Corpo de Bombeiros, o fogo teria irrompido no quarto onde as crianças dormiam e, rapidamente, as chamas se espalharam pelo imóvel. A Corporação informa que enviou três viaturas para o local (um autotanque, um resgate e um ambulância), mas não ouve tempo para salvar a vida dos três irmãos.

Em depoimento aos membros do Conselho Tutelar de Itaitinga, os pais das crianças disseram que tinham saído de casa, mas deixado as crianças sozinhas por “pouco tempo”. No entanto, as autoridades constataram muitas contradições nos depoimentos. Os tios que moram na mesma residência não estavam lá.

Fonte: Jornalista Fernando Ribeiro