Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788

terça-feira, 26 de junho de 2018

Filha mata a própria mãe de 75 anos a pauladas

O município de Governador Dix Sept Rosado,distante 35 km de Mossoró localizado na região oeste do Rio Grande do Norte registrou um crime brutal, que vem chocando as Redes Sociais no final da tarde desta última segunda feira 25 de junho de 2018.

De acordo com informações,a filha identificada como Rosineide Cajuzinha, matou sua própria mãe de aproximadamente 75 anos de idade, a pauladas.

O crime foi praticado no interior da residência, a acusada não teve tempo de fugir e foi presa em flagrante pela Polícia Militar da cidade.

Até o momento não há informações sobre a motivação do trágico crime brutal que ceifou a vida de sua própria mãe.

Uma equipe do Instituto Técnico-Científico de Perícia do Rio Grande do Norte ITEP de Mossoró,foi acionada para fazer a remoção do corpo e o trabalho de perícia.

Consumo de adoçantes afeta a fertilidade feminina, conclui estudo

No mundo, 40 milhões de mulheres têm algum tipo de dificuldade para engravidar — 5 milhões delas estão no Brasil. Para cerca de metade, a técnica artificial de reprodução é uma alternativa. O número de mulheres que recorrem à fertilização in vitro, método de laboratório que forma o embrião fora do útero, aumentou 300% nos últimos trinta anos.

Os motivos desse crescimento são compreensíveis. As chances de uma concepção natural resultar numa gravidez bem-­sucedida são de 30% para mulheres com idade de 20 a 30 anos. Depois dos 35 anos, esse índice cai para menos de 15%. Aos 40 anos, despenca para 5%. Já na fertilização in vitro, a taxa de sucesso chega hoje a 40%. Mas, apesar de relativamente alta, ela não se altera há pelo menos cinco anos. Agora, um novo estudo revela o que pode ser uma das barreiras a impedir o crescimento desse índice: o uso de adoçantes.


Com informações da Veja.