Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788

sábado, 2 de junho de 2018

Óbitos por influenza no Ceará em 2018 superam o total de mortes pelo vírus nos últimos 8 anos

Com 59 mortes por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) provocada pelo vírus da influenza registradas no Ceará, nos cinco primeiros meses do ano, 2018 já supera o total de mortes pelo vírus contabilizadas nos últimos 8 anos no Estado. Entre 2010 e 2017, o agravo da Síndrome por influenza resultou em 57 mortes no Ceará. Antes deste ano, o período que registrou maior número de óbitos foi 2016, com 17 mortes. Os dados constam no Boletim Epidemiológico da Secretaria Estadual da Saúde, divulgado nesta sexta-feira (1º).

A influenza é uma doença infecciosa aguda das vias aéreas. Segundo o Ministério da Saúde, existem três tipos de vírus influenza: A, B e C. O tipo C, explica o órgão, causa apenas infecções respiratórias brandas e não possui impacto na saúde pública. Já o vírus influenza A (H1N1 e H3N2) e B são responsáveis por epidemias sazonais, sendo o vírus influenza A responsável pelas grandes pandemias.

No Ceará, conforme o Boletim Epidemiológico da Sesa, até o dia 30 de maio de 2018, das 59 mortes por influenza, 46 foram causadas por influenza A (H1N1), 3 por influenza A H3/sazonal, 2 por influenza A não subtipado e 8 por influenza B.

Do total de óbitos, 33,9% foram de pessoas com mais de 60 anos de idade e 10,4% em crianças que tinham entre 1 a 4 anos. O mês de abril registrou o maior número de mortes, com 45 ocorrências. Em maio foram contabilizadas as outras 14. Das vítimas, 40,7% não eram vacinadas, conforme informa o Boletim da Sesa.

Marília Mendonça relata drama que a fez emagrecer

Marília Mendonça perdeu 8 kg
Marília Mendonça dividiu seguidores quando apareceu 8 kg mais magra após uma série de ajustes na alimentação.

A “polêmica” sobre a nova silhueta surgiu porque a cantora, que sempre foi defensora da aceitação do corpo e já declarou em entrevistas que não é obrigada a ser magra, perdeu peso e está curtindo o novo estilo de vida.

Marília comentou em uma série de posts no Twitter nesta última quarta-feira (30), o que motivou o emagrecimento.

— Quando vejo julgamentos sobre o meu novo estilo de vida, já não me importo mais. Vocês não sabem o drama que é uma menina de 22 anos estar com colesterol alto, gordura no fígado (quase hepatite), hormônios desregulados, insônia pesada e gastrite nervosa.

Por causa de problemas de saúde, a rainha da sofrência teve de passar por uma série de mudanças na alimentação.

— Tudo começou quando comecei a ganhar um dinheirinho com minhas composições. Fui criada sem comer fast-food porque não tínhamos como pagar. Lá em casa a gente cortava a carne no meio para dividir com meu irmão. Quando comecei a ter condição, eu empolguei. Eu não tinha medo de nada. Era pizza no almoço, sanduíche na janta. Refrigerante de manhã. Uma hora a cobrança vem.

A sertaneja explicou que teve de eliminar praticamente tudo o que comia de errado e que a vida mudou depois que parou de consumir açúcar.

— Agora descobri o real paladar das coisas.
Com informações do R7.