Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

quarta-feira, 3 de maio de 2017

STF liberta ex-ministro José Dirceu, preso há 2 anos pela Lava Jato

O Supremo Tribunal Federal (STF) concedeu habeas corpus e decidiu libertar o ex-ministro José Dirceu nesta terça-feira (2). O petista estava preso há dois anos no âmbito da Operação Lava Jato. As informações são da Folha de S. Paulo.
O julgamento foi feito pela Segunda Turma do tribunal, da qual fazem parte os ministros Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Celso de Mello e Edson Fachin, relator da operação no STF.
Toffoli e Lewandowski votaram pela liberação do ex-ministro. Fachin e Celso de Mello defenderam a manutenção da prisão. O desempate ficou a cargo de Gilmar Mendes, com decisão favorável ao petista.
Condenado duas vezes em ações da Lava Jato, Dirceu está preso desde 3 de agosto de 2015 em Curitiba.

70% defendem fim do foro privilegiado, diz Datafolha


Pode-se dividir a população nos mais variados grupos, por renda, gênero, escolaridade ou região, e a conclusão será a mesma: a maioria dos brasileiros é a favor do fim do foro privilegiado. Segundo o Datafolha, 70% dos eleitores querem acabar com a prerrogativa que políticos com mandato e juízes têm de serem julgados em órgãos superiores. Outros 24% defendem a manutenção desse instituto e 6% não sabem qual é a melhor saída. Os homens são mais críticos que as mulheres (75% deles e 66% delas). Quanto maior o grau de escolaridade, maior a oposição: 82% dos que têm nível superior, 74% dos que terminaram o ensino médio e 57% dos que pararam no fundamental são contra. Discutido desde o mensalão, pelo volume de casos que impôs ao Supremo Tribunal Federal, o foro especial voltou ao debate com a Lava Jato, que já levou a mais de cem inquéritos. Hoje, deputados, senadores e ministros são julgados pelo Supremo, governadores, pelo Superior Tribunal de Justiça e prefeitos, pelos Tribunais de Justiça. Folha de S.Paulo