Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

quarta-feira, 1 de março de 2017

Deputados se opõem a idade mínima proposta por Temer

São Paulo SP Brasil 20 02 2017 O presidente Michel Temer em a de São Paulo no Teatro WTC participou da â€Apresentação do plano de modernização e desburocratização da agricultura e solenidade de lançamento do AGRO+SPâ€.Também participaram o ministro Blairo Maggi (Agricultura), o governador Geraldo Alckmin e o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp), Fábio Meirelles. MERCADO. Jorge Araujo Folhapress 703 ORG XMIT: XXX
Metade dos integrantes da comissão especial da Câmara dos Deputados que analisa a reforma da Previdência se opõe à exigência de idade mínima de 65 anos para aposentadoria, e a maioria discorda de outros pontos cruciais da proposta apresentada pelo presidente Michel Temer.

A idade mínima é um dos eixos do projeto, porque valeria para todos os trabalhadores e acabaria com o sistema que hoje permite aos que se aposentam por tempo de contribuição obter o benefício precocemente, em média aos 54 anos, idade muito mais baixa do que em outros países.

Levantamento feito pela Folha revela que 18 dos 36 integrantes da comissão especial são contra a idade mínima proposta por Temer. Sete entre eles defendem a fixação de idades inferiores a 65 anos.
A enquete mostra também que a maioria quer modificar pelo menos outros quatro pontos importantes do projeto do governo, prioridade legislativa de Temer neste ano. Entre os que defendem mudanças estão integrantes da base governista, inclusive do PMDB, partido do presidente.

Folha

Chuvas de março não serão intensas como em fevereiro, diz meteorologia

Previsão de chuva no Piauí (Foto: Catarina Costa/G1 PI)
Em fevereiro deste ano choveu 328,8 milímetros, um resultado 21% maior do que no mesmo período do ano passado, quando foram registrados 258 milímetros de chuvas. Apesar do resultado, as previsões meteorológicas apontam que março não deve repetir o resultado positivo, ficando abaixo da média histórica.

“Foi acima da média histórica em todo o estado em fevereiro. Ninguém esperava que fosse tanta chuva, mas estava dentro dos dados de probabilidade. Para março, a gente tem o início do mês com chuvas, depois, entre os dias 7 e 12 quase sem chuvas, depois retorna precipitação de novo. No Sul do estado vai diminuindo e depois vai se concentrando na região Norte. No total, as chuvas devem ficar abaixo da média”, afirmou a meteorologista da secretaria de meio ambiente, Sônia Feitosa.

De um modo geral, levando em conta as previsões climáticas, existe uma maior probabilidade que as chuvas averiguadas em todo o período chuvoso no Piauí e no Nordeste fiquem abaixo da média histórica.

A Previsão Climática Sazonal do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações mostra que, caso se confirmem chuvas até 30% abaixo da média, as consequências para os reservatórios e agricultura serão intensas.

“A situação hídrica na maioria dos reservatórios de abastecimento de água do norte da Região Nordeste não terá recuperação significativa no decorrer do trimestre de FMA/2017. Neste mesmo cenário, projeta-se impacto severo para a agricultura e a pecuária durante o período chuvoso principal, com predominância de áreas de seca severa no interior da região semiárida, principalmente no leste do Piauí, sul do Ceará, oeste de Pernambuco e centro-norte da Bahia”, diz trecho do documento.

Mesmo que o período chuvoso fique dentro da média história, ainda assim a estiagem vai continuar castigando uma enorme área do Nordeste. “O cenário atual não se altera e a seca atinge 64% da área do semiárido (54% associadas à seca leve ou moderada e 7% à seca moderada ou extrema). Se o cenário para o próximo trimestre for de chuvas 30% abaixo da média, projeta-se que 68% da área do semiárido serão impactadas pela seca (57% serão afetadas por seca leve ou moderada e 11% por seca severa ou extrema)”.

G1CE