Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

quarta-feira, 29 de março de 2017

Com últimas chuvas, cinco açudes do Ceará sangram


Dados são da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh).
Entre as 7 horas do último domingo (26) e as 7 horas desta segunda-feira (27) choveu em 57 municípios cearenses, de acordo com a Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme). Com as recentes precipitações, principalmente as do último fim de semana, chega a cinco o número de reservatórios que estão sangrando no Ceará.

Os açudes Acaraú Mirim, no município de Massapê, Caldeirões (Saboeiro), Valério (Altaneira), São Pedro Timbaúba (Miaríma) e Maranguapinho (Maranguape) são as barragens que já ultrapassaram a capacidade máxima de reservação. Até o momento, todos os 153 açudes do Estado que são monitorados pela Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) somam 10,2% do volume total.

De acordo com o presidente da Cogerh, João Lúcio Farias, as regiões Norte e Noroeste do Estado são as mais favorecidas pelas chuvas. “Já estamos atingindo os 780 milhões de aporte em todos os reservatórios. Temos tido uma recuperação significativa, principalmente, em açudes da Bacia Metropolitana, como o Pacajus e o Pacoti”, destaca.

Em relação à quadra chuvosa de 2016, que registrou armazenamento de, aproximadamente, 12% do volume total de armazenamento, a atual quantidade de água acumulada pelas chuvas intensas dos últimos dias ainda não ultrapassou os números do ano passado. “É necessário que a gente continue tendo esse aporte no fim deste mês e durante abril para que haja recuperação dos nossos reservatórios”, projeta o gestor.

Diante do cenário, ainda é preciso manter-se alerta. “É preciso que a gente continue com o uso racional da água. A economia, nesse momento, tem sido importante para todas as regiões, todas as bacias do estado do ceará. Essa colaboração da sociedade é importante para que a gente continue economizando água nos nossos reservatórios”, lembra João Lúcio.

Com informações do portal Cnews

Ceará terá redução de 13,95% no valor da energia



Desconto será aplicado já no mês de abril.
Em abril, os consumidores de energia elétrica terão um desconto na tarifa, por causa da devolução dos valores cobrados a mais no ano passado. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou hoje (28) o processo extraordinário de ajuste nas tarifas de 90 distribuidoras do país. Os percentuais de redução na tarifa que será aplicada em abril variam de 0,95% a 19,47%. No Ceará, a redução será de 13,95%.

Vai haver devolução porque o custo da energia proveniente da termelétrica de Angra 3 foi incluído nas tarifas do ano passado, mas a energia não chegou a ser usada porque a usina não entrou em operação. O valor total a ser devolvido será de R$ 900 milhões.

Anteriormente, a Aneel havia dito que o valor da devolução poderia chegar a R$ 1,8 bilhão, mas o cálculo foi reduzido porque nem todas as distribuidoras haviam cobrado os valores a mais em 2016, já que o montante foi incluído no processo de reajuste de cada concessionária, de acordo com o seu aniversário tarifário.

Como será a devolução

O procedimento de devolução dos recursos terá duas etapas. Na primeira, durante o mês de abril, a tarifa será reduzida para reverter os valores de Angra 3 incluídos desde o processo tarifário anterior e, ao mesmo tempo, deixará de considerar o custo futuro do Encargo de Energia de Reserva (EER) desta usina.

Na segunda etapa, que começa em 1º de maio e permanece até o próximo processo tarifário de cada distribuidora, a tarifa apenas deixará de incluir o EER de Angra 3.

A Aneel também determinou que as distribuidoras incluam um texto padronizado nas faturas de abril e maio de 2017 para informar os consumidores sobre o processo de ajuste. As concessionárias também devem usar outros meios de comunicação para divulgar o movimento tarifário.

Com informações da Agência Brasil