Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

quarta-feira, 22 de março de 2017

Nove ministros de Temer são alvo de pedido de inquérito da PGR


Foto: Valter Campanato / Agência Brasil
 Quase um terço do primeiro escalão do governo Michel Temer será afetado com a delação dos ex-executivos da Odebrecht: ao todo são nove ministros alvo de pedido de inquérito junto ao Supremo Tribunal Federal com base nos depoimentos. Segundo informações do jornal Valor Econômico, estão na “lista de Janot” os ministros Blairo Maggi (Agricultura), Eliseu Padilha (Casa Civil), Moreira Franco (Secretaria-Geral), Aloysio Nunes (Relações Exteriores), Bruno Araújo (Cidades), Gilberto Kassab (Ciência e Tecnologia), e Marcos Pereira (Desenvolvimento), além de dois outros que não tiveram seus nomes divulgados. Maggi se manifestou sobre acusações de que a empreiteira o tenha beneficiado. “A chance de estar nesse negócio é zero. Não tem a mínima chance. Nunca tive negócio com esses caras. Minha única relação com eles (Odebrecht) foi pagar pedágio na rodovia que eles construíram. Para mim, seria ótimo se tirasse o sigilo. Tão certo que não tem nada como amanhã é outro dia”, disse, em entrevista ao jornal O Globo. Apontado como participantes de um esquema envolvendo concessões de aeroportos, inclusive do Galeão, Moreira Franco, ex-ministro da Secretaria da Aviação Civil, ue já contratou advogado e “prestará todos os esclarecimentos na esfera judicial tranquilamente”. Já Eliseu Padilha, também citado no mesmo caso não se pronunciou.

Prefeito de Aiuaba fecha destacamento da PM e pede devolução de material de trabalho


Aiuaba - Imagem Google Street View. Medidas acontecem no momento em que o município vive clima de agitação e insegurança por conta de brigas políticas e familiares O prefeito de Aiuaba, Ramilson Araújo Moraes, determinou através de ofício o fim do Destacamento Policial da Polícia Militar. De acordo com o documento, a partir de agora o município não tem nenhuma responsabilidade pela locação do prédio onde funciona a unidade policial. Além disso, o prefeito também solicita a devolução de todo o material de trabalho utilizado pelos policiais e isenta a administração de qualquer despesa como energia, internet, entre outros. As medidas tomadas pelo prefeito acontecem no momento em que Aiuaba vive clima de agitação e insegurança por conta de brigas políticas e familiares. As desavenças já resultaram em uma série de oito mortes nos estados do Ceará e Piauí. Entre as vítimas, dois vereadores, um fazendeiro, um empresário, familiares e um pistoleiro. Cearanews7