Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788

sábado, 4 de agosto de 2018

Lava Jato prende banqueiro usado por Cabral para comprar milhões em joias

A Polícia Federal e o Ministério Público Federal (MPF) cumprem três mandados de prisão temporária nesta sexta-feira (3), contra suspeitos de lavagem de dinheiro por meio de uma joalheria no Rio de Janeiro. Um dos alvos é o banqueiro Eduardo Plass, que foi presidente do Banco Pactual e é sócio majoritário do TAG Bank, no Panamá, e da gestora de recursos Opus. Ele é suspeito de ser o responsável pela lavagem de dinheiro de R$ 90 milhões da joalheria H. Stern.
Plass mora em Londres, mas estava de passagem pelo Rio de Janeiro. A decisão é do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal no Rio.
A chamada Operação Hashtag é um desdobramento da Operação Lava Jato no Rio. De acordo com o MPF, o esquema consistia no recebimento de dinheiro em espécie dos diretores administrativos da joalheria em Ipanema, e posterior transferência no exterior de valores de uma conta sob seu controle (The Adviser Investmentes Limited) para uma empresa offshore de fachada (Fleko ou Erposition), que, por sua vez, ainda transferia esses valores para uma outra empresa offshore de fachada (Robilco), e que, por fim, transferia os valores para a empresa holding do grupo da joalheria.
O MPF apontou que, para dar aparência de legalidade às transações, a equipe de Eduardo Plass assinava contratos fictícios de empréstimos com os diretores da joalheria, forjados como se fossem empréstimos, muitos deles com datas retroativas, ideologicamente falsas, forjados como se fossem empréstimos entre a empresa The Adviser Investments e as offshores Fleko e Erposition, que recebiam os valores no momento inicial de cada transação.
O esquema aconteceu entre 2009 e 2015, quando foi, segundo o MPF, cometida uma série de crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas, pelos diretores da joalheria, que agora colaboram com as investigações do MPF, e pelos alvos da operação desta sexta-feira: Eduardo Plass, Maria Ripper Kos e Priscila Moreira Iglesias, as duas sócias de Plass. 
Foram entregues no exterior 24,3 milhões de dólares, o equivalente a mais de R$ 90 milhões. O MPF pediu o bloqueio deste valor a título de reparação de danos e valor equivalente a título de danos morais, totalizando R$ 181 milhões.
“O que chama a atenção neste caso é o próprio banqueiro fazer operações de dólar-cabo a fim de lavar capitais. Com isso, fica comprometida toda regulação de compliance. É como se o árbitro de futebol entrasse em campo, por baixo do uniforme, com a camisa de um dos times, encobrindo ativamente jogadas desleais”, analisam os procuradores da força-tarefa.
Um dos principais clientes da joalheria que pagava em dinheiro em espécie e sem nota fiscal era o ex-governador Sérgio Cabral. Os diretores da H. Stern firmaram acordo de delação premiada com o MPF.
Eduardo Plass já havia sido conduzido coercitivamente, no ano passado, quando foi deflagrada a Operação Eficiência, que apurou ocultação de mais de US$ 100 milhões do ex-governador Sérgio Cabral no exterior. O TAG Bank do Panamá era o responsável pela conta Golden Rock, usada pelo empresário para pagar propina a Cabral (MDB), de acordo com o Ministério Público Federal.
A força-tarefa da Lava Jato no Rio de Janeiro também cumpria quatro mandados de busca e apreensão.
 

Informações com Jornal do Brasil

BANDIDOS TENTAM ASSALTAR POLICIAL MILITAR E SE DÃO MAL

Um bandido morreu, outro foi baleado e preso e outros dois conseguiram fugir após uma tentativa de assalto a um policial militar. O fato ocorreu na manhã desta sexta-feira no bairro Parque Dois Irmãos, na zona Sul de Fortaleza. O PM, que pertence ao efetivo da Casa Militar do Governo do Ceará, reagiu ao ser abordado pelos quatro criminosos que estavam em duas motocicletas. Depois do tiroteio, o militar se apresentou espontaneamente numa delegacia da Polícia Civil.

A tentativa frustrada de assalto ocorreu por volta de 7h30, no cruzamento da Rua Afonso Lopes com a Travessa Acarape. O militar estava saindo de serviço e quando se aproximava de sua residência percebeu a aproximação dos quatro suspeitos em duas motocicletas. Rapidamente, ele sacou sua pistola e trocou tiros com os bandidos. Um deles tombou morto no local e seu parceiro ficou ferido, sendo preso logo em seguida.

A outra dupla de assaltantes fugiu do local e teria ido se refugiar na comunidade Rosalina, local onde está sendo feita, neste momento, uma operação varredura da PM, com viaturas, motos e o apoio de um helicóptero da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer).

O corpo do assaltante morto foi periciado e recolhido para a sede da Perícia Forense do Ceará (Pefoce), na Avenida Leste-Oeste, bairro Moura Brasil (zona Central). O comparsa ferido e preso foi encaminhado a uma delegacia da Polícia Civil na área onde aconteceu o crime.

Outro caso

No último domingo (29), um policial militar, já na Reserva Remunerada da Corporação (RR), foi morto por bandidos quando comemorava o aniversário do filho em um bar localizado na Rua Dom Xisto Albano, no bairro Vila Peri, zona Sul de Fortaleza. O subtenente PM Juciano de Lima Barbosa foi atingido com vários tiros e morreu quando era levado para o “Frotinha” de Parangaba.

Neste ano, sete agentes da Segurança Pública (seis policiais e ex-policiais militares e guarda municipal) foram assassinados no Ceará, veja a lista completa dos casos:


01 – (20/01) – PETRONÍLIO LEONARDO DA SILVA NETO – 63 anos, policial militar da Reserva Remunerada da PM, morto durante assalto na Rua 102 do Conjunto Esperança.

02 – (24/02) – FRANCISCO WAGNER ALVES DE ARAÚJO - Sargento da Ativa da Polícia Militar, destacado no Batalhão de Policiamento Rodoviário Estadual (BPRE). Morto por policiais do BPRaio no viaduto da BR-020, no Conjunto Nova Metrópole, em Caucaia.
03 – (1º/03) – MARCOS ANTÔNIO DE SOUSA RIBEIRO – Policial militar assassinado por bandidos quando chegava em sua residência, na Rua Catolé, no bairro Conjunto Palmeiras (Jangurussu). Foi uma execução sumária. 
04 – (21/03) – GLEDSON MARTINS DE SENA – 47 anos, ex-policial militar, assassinado, a tiros, na cidade de Iguatu. Execução sumária.
05 – (1º/05) – FRANCISCO BONIVARDE CASTELO BRANCO NAUM – 28 anos, Sargento da Ativa da Polícia Militar. Morto a tiros em uma barraca de praia, na Praia do Futuro, por um policial civil, identificado como inspetor Egberto Setúbal Freitas, 25. 
06 – (14/05) – LUIZ DE FRANÇA DUARTE FILHO – 30 anos, guarda municipal de São Gonçalo do Amarante, foi assassinado a tiros, na porta de casa, no bairro Itambé, em Caucaia. 

07 – (29/07) – JUCIANO DE LIMA BARBOSA – Subtenente da Reserva Remunerada da PM, morto a tiros quando comemorava o aniversário de um filho em um bar na Rua Dom Xisto Albano, na Vila Peri, zona Sul da Capital.

Fonte: Blog do Jornalista Fernando Ribeiro