Atenção: as imagens contidas no blog são de domínio público e/ou retiradas do Google. Se você, por algum motivo, sentir-se ofendido ou agredido com alguma imagem ou texto postados neste blog, entre em contato e a mesma, se este for o caso, será retirada. Caso a imagem seja sua, avise-me para que eu lhe credite a autoria.CONTATO cratonoticia@gmail.com/WHATSAPP [88] 9 9788 5932

sábado, 5 de agosto de 2017

Filho mata a mãe a socos por causa de celular


post-feature-image

Mais uma vítima da violência entre família ocorreu em Sorocaba, no interior de São Paulo.

Roseli Bertolino Alves, de 54 anos era viúva e trabalhava em um pet shop como auxiliar de veterinária, foi morta a socos pelo filho. Tudo aconteceu depois que ela pediu ao filho José Geraldo dos Santos, de 26 anos, o celular dela que estava com ele.

Na noite anterior, o filho da viúva havia saído de casa levando o telefone da mãe e passado a noite fora. Ela foi dormir, pois precisava trabalhar no dia seguinte. Às 5h30, quando a mãe acordou e perceber que seu celular estava com o filho, resolveu ir pedir o aparelho ao rapaz.

Ela bateu na porta do quarto, mas de lá, sem pensar duas vezes, ele saiu enfurecido e desferiu uma série de socos naquela que deveria amar e proteger.

Após de espancar Roseli Alves, tomado pela fúria, voltou ao quarto e fechou a porta na mão de Roseli, que depois de tudo o que passou, procurou esquecer.

Entretanto, três dias após da agressão, foi levada ao hospital por estar com fortes dores na cabeça. Ela foi internada na UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) e foi diagnosticada a perda de sua memória, que evoluiu para o quadro de demência, que é o prejuízo cognitivo cerebral. Como uma doença de curso progressivo, o quadro clínico da paciente sofre modificações. Três semanas depois, Roseli morreu no hospital.

Os médicos tiveram que dar a triste notícia a família. A causa da morte tinha sido #traumatismo craniano. Neste ano, noticiamos a morte de um argentino que morreu após levar golpes e socos. No ano passado, relatamos aqui a morte de uma criança que morreu por traumatismo craniano provocado após um acidente.

A polícia foi informada e José Geraldo dos Santos, de 26 anos, conhecido como ''Pitu'', foi preso pelos policiais, que disseram que ele estava tranquilo, como que se nada houvesse acontecido. A polícia conseguiu descobrir que Roseli era constantemente agredida pelo filho.

Pequenas agressões eram comuns, segundo a polícia. Porém, na última vez, ele agrediu violentamente a mãe. Os peritos atestam que o traumatismo craniano foi provocado pelos socos desferidos pelo rapaz.

José Geraldo negou na delegacia ter dados socos na mãe, disse que apenas a teria empurrado. Questionado se teria se arrependido do que fez, falou que não. Para a polícia, o rapaz é um indivíduo extremamente frio, agressivo, violento, perigoso e calculista.

Roseli chegou a receber em seu WhatsApp mensagens do 'filho arrependido. Nelas, José Geraldo pedia desculpas e alegava que havia bebido demais naquele dia. Na mesma mensagem, chegou a prometer a mãe que não iria beber outra vez. A mãe respondeu que estava com dor no coração e que estava sendo difícil lidar com isso.

A triste partida de Roseli Alves, auxiliar de veterinária, 54 anos, põe em xeque uma pergunta: estamos realmente seguros? E uma outra: Você perdoaria?
Créditos: Felipe Mendes via Blasting News

‘Criminoso dando aula a crianças inocentes’; Justiça faz de Bruno um professor


Condenado pela morte de Eliza Samúdio, o Goleiro Bruno Fernandes de Souza, recebeu permissão da Justiça para dar aulas a crianças e adolescentes, na cidade de Varginha, a 312 Km da capital Belo Horizonte, em Minas Gerais. O goleiro – que já tinha recebido licença da Justiça para voltar a atuar como jogador profissional pelo Boa Esporte, mas que depois recebeu a notícia de que a decisão foi revogada, dará aulas no Nucap (Núcleo de Capacitação para a Paz), que faz atendimentos a cerca de 60 crianças e adolescentes que são filhos de ex-detentos e detentos.

O núcleo tem o como um dos objetivos principais ressocializar e levar inclusão para os presos e permitir que mães prisioneiras possam ter a oportunidade de conviverem com os seus filhos longe das unidades prisionais.

Para Bruno, a norma é a de que ele não poderá ter contato com ninguém além dos profissionais do local, das crianças e dos adolescentes que ali estão e, também, dos seus familiares. O deslocamento do goleiro será feito por um representante do núcleo, que irá até onde o goleiro está e o levará até o local de treinamento com as crianças.

Periodicamente, o Nucap estará enviando à Justiça relatórios sobre a lista de atividades feitas pelo goleiro, bem como, relatórios de frequência dele. Caso tudo aconteça ‘normalmente’, Bruno terá o direito de diminuir a sua pena. Suas aulas acontecem de segunda a sexta-feira.

Polêmica sobre a contratação de Bruno por parte da equipe do Boa Esporte

Ainda esse ano, o goleiro Bruno se envolveu em uma polêmica: a Justiça permitiu que ele pudesse ser contratado por alguma equipe do futebol profissional no Brasil, mas que seguiria em prisão domiciliar – longe da cadeia.

Muito se especulou sobre se alguma equipe brasileira teria o interesse em contratar o jogador – que participou do assassinato, matou com requintes de crueldade, da sua própria namorada. Logo o próprio Bruno disse, em entrevista, que algumas equipes o convidaram para fazer parte dos seus elencos e, inclusive, ele mesmo estava pensando ainda em quem escolher para atuar.

Momentos depois o goleiro anunciou que estaria assinando no Boa Esporte – equipe que faz parte da segunda divisão do futebol brasileiro. No momento da contratação e assinatura do goleiro, muita polêmica foi vista e até mesmo alguns patrocinadores do Boa decidiram tirar as suas marcas da camisa do time e rescindiram contrato. Apesar de toda a confusão, Bruno foi visto treinando no centro de treinamento do Boa e o presidente da equipe disse que estava sendo profissional ao contratar alguém que recebeu a liberação da Justiça e que era um bom jogador.
Créditos:  Gente! #TôChocado via Blasting News